Crônicas Nikkeis 8 — Heróis Nikkeis: Pioneiros, Modelos e Inspirações

A palavra “herói” pode ter significados diferentes para pessoas diferentes. Nesta série, exploramos a ideia de um herói nikkei e o que isso quer dizer para cada pessoa. Quem é o seu herói? Qual é a história dele? Como ele(a) influenciou sua identidade nikkei ou a conexão com sua herança cultural nikkei?

Aceitamos o envio de histórias de maio a setembro de 2019; a votação foi encerrada em 12 de novembro de 2019. Todas as 32 histórias (16 em inglês, 2 em japonês, 11 em espanhol, e 3 em português) foram recebidas da Austrália, Brasil, Canadá, Estados Unidos, Japão, México e Peru. Dezoito dessas submissões foram de colaboradores inéditos do Descubra Nikkei!

Aqui estão as histórias favoritas selecionadas pelo Comitê Editorial e pela comunidade Nima-kai do Descubra Nikkei.


Seleções dos Comitês Editoriais:

Escolha do Nima-kai:

Para maiores informações sobre este projeto literário >>


Confira estas outras séries de Crônicas Nikkeis:

#1: ITADAKIMASU! Um Gostinho da Cultura Nikkei
#2: Nikkei+ ~Histórias sobre Idiomas, Tradições, Gerações & Raças Miscigenadas~
#3: Nomes Nikkeis: Taro, John, Juan, João?
#4: Família Nikkei: Memórias, Tradições e Valores
#5: Nikkei-go: O Idioma da Família, Comunidade e Cultura
#6: Itadakimasu 2! Um Novo Gostinho da Cultura Nikkei
#7: Raízes Nikkeis: Mergulhando no Nosso Patrimônio Cultural

war en

My Hero: Shinya Honda

Shinya Honda was my hero because he never looked back. He always persevered and took responsibility for his own life and even took care of his mother and three sisters. Uncle Shin never complained about his circumstances or the terrible events that took place at the age of 15, when his father died.

Above all, I am grateful to Uncle Shin and his whole generation who worked hard to serve our country. In spite of the incarceration in concentration camps and this tragic black mark in American history, the positive attitude of Uncle Shin, being a cheerleader for his children ...

continue a ler

community es

Cynthia: Mil grullas, una flor de cerezo y la fugacidad de la vida

Desde que tengo memoria, como todo aquel que nació en el Perú en los años noventa, Japón ha estado muy presente en mi vida. Cómo olvidar la primera vez que sintonicé y vi por primera vez Dragon Ball o Saint Seiya, o incluso Dekirukana o Teatro de Marionetas. El haber nacido y vivido en Jesús María, cerca del Centro Cultural Peruano Japonés, también hizo que desde pequeño me emocionara mucho por aprender más sobre esta cultura tan interesante. No obstante, no sería sino hasta un tiempo después que terminar ...

continue a ler

community en

2 Presidents, 2 Senators, 2 Moms…and 2 Dads, too

My best friend Brenda and I have often talked about how much change and history our parents witnessed over the course of their lifetimes. We are the only-children, daughters of U.S. military fathers who were born and raised in the American South and Japanese mothers.

Our parents lived through much of the history of the 20th century, and we too, as their daughters also are living witnesses to that history.

Beginning in 1985, I had the great privilege of serving as a press aide to two of Tennessee’s U.S. Senators in Washington, D.C. As a high ...

continue a ler

war es

Masao Iimuro: Fortaleza y ejemplo de una comunidad que superó la injusticia y la persecución

Quando conheci Masao Iimuro pessoalmente em 2007, eu já estava a par de muitos detalhes da sua vida. Eu sabia que ele tinha embarcado rumo ao México no final de 1940, partindo da cidade de Nagoia, onde havia nascido 19 anos antes. Eu já tinha detalhes precisos da sua detenção em maio de 1942 e do seu subsequente encarceramento no presídio das Ilhas Marias; em Lecumberri [antiga prisão na Cidade do México]; e na fortaleza de Perote, no estado de Veracruz. Sem julgamento ou qualquer acusação precisa e apenas com a imputação de ...

continue a ler

identity en

A Moment in Time

As I gazed upon my mom’s old wooden hand mirror, I found that time has not been kind to my face. There were noticeable lines across my forehead, wrinkles around the corners of my mouth and dark spots of old age.

Whenever I held my dad’s old broken wrist watch against the windowpane, I noticed that time had stopped at 10:30 a.m. The face on the watch was made of glass which was dome shaped and tinted yellow with age. The numerals on its face were from 1-12, 13-24 by the hour and 5-60 by the ...

continue a ler