Milagros Tsukayama Shinzato

Sansei, cujos avós paternos e maternos vieram da cidadezinha de Yonabaru, em Okinawa. Atualmente ela trabalha como tradutora freelancer (inglês / espanhol) e blogueira do site Jiritsu,, onde compartilha temas pessoais e sua pesquisa sobre a imigração japonesa ao Peru, além de tópicos relacionados.


Atualizado em dezembro de 2017 

food en ja es pt

Crônicas Nikkeis #6 — Itadakimasu 2! Um Novo Gostinho da Cultura Nikkei

Épocas difíceis para a mamãe, boas lembranças para mim

“Come tudo, mottainai jogar fora”. Apesar de terem passado dois anos, ainda sinto falta da minha mãe. “Se acabar oajinomoto, bota shoyu (molho de soja) com açúcar”. Quantas das suas dicas ainda estão na minha memória! “Se você cozinhar fazendo tanchi, a comida vai sair ruim”. A minha mãe sempre tinha razão. A comida tem que serpreparada com amor, sem fazer tanchi (“sem ser algo desagradável”).

Assim como a minha avó (oba), a minha mãe não demonstrava abertamente o seu carinho. As duas se tornaram viúvas com filhos pequenos ...

continue a ler

community en ja es pt

O Ano Novo dos nikkeis. Lembrando do Oshogatsu desde a época dos isseis

Passei quase toda a minha infância com a minha avó. Seus costumes, certamente bem japoneses, eram expressados no dia a dia. Ela não celebrava o Natal, mas sim o Oshogatsu (Ano Novo em japonês).

Naquela época, eu me lembro que os preparativos para o Oshogatsu começavam no dia 31 de dezembro. Assim que amanhecia, íamos todos limpar a casa, enquanto a minha mãe era quem cozinhava. Ela passava a manhã inteira cozinhando tofu, ensopado de porco com nabos e cenouras, montinhos de algas kombu, muito sushi e até mesmo tempura de batata doce e legumes ...

continue a ler

identity en ja es pt

Crônicas Nikkeis #2 — Nikkei+ ~Histórias sobre Idiomas, Tradições, Gerações & Raças Miscigenadas~

O Mabuyá ou o Terremoto da Sorte: Alguns Costumes da Minha Oba que se Tornaram Recordações da Minha Infância

“Não varre o chão de noite, senão vai ficar pobre” ou “se você cortar as unhas de noite, vai atrair o diabo”. Ou então o quase profético “vai chover...” que a minha oba sempre dizia quando via o gato da casa limpando a cara. Estas e outras frases eram as que eu normalmente escutava quando era criança.

Quando a minha oba nos deixou, muitas destas frases deixaram de ser ouvidas na nossa casa; mas ainda há umas poucas (além de outros tantos costumes e crenças) que permaneceram na nossa memória, principalmente ...

continue a ler

community es

Crônicas Nikkeis 8 — Heróis Nikkeis: Pioneiros, Modelos e Inspirações

Elena Yoshida de Kohatsu: una heroína entre héroes

“Por sus obras, la conocerás”. Y por sus virtudes, creo que hasta podemos llegar a admirar a una persona. Realmente, me quedé sorprendida cuando conocí a Elena Yoshida de Kohatsu, la única mujer que ha dirigido a casi todas las instituciones de la colectividad peruano-nikkei, como la Asociación Peruano Japonesa.

Pero nunca la he conocido en persona; sino que eso pasó cuando leía libros, escuchaba testimonios y recuerdos y veía las placas conmemorativas que perennizan su memoria. Incluso, la biblioteca que custodia la historia de nuestra colectividad nikkei, lleva su nombre. Así, ¡cómo podría ...

continue a ler

food es

La Inca Kola de Isaac Lindley: un apoyo que nunca se olvida

“Kola dorada”, “de sabor nacional” y que “con todo combina”, así es Inca Kola. Nació el 18 de enero de 1935, cuando Lima (Perú) celebraba su cuatricentenario y desde entonces cautiva a peruanos y extranjeros. La historia comienza con Joseph Robinson Lindley, inmigrante inglés que abrió en el Rímac su fábrica de aguas gaseosas “La Santa Rosa” en 1910. Para 1945, su hijo menor Isaac asume la gerencia y con él nace la amistad con la comunidad japonesa del Perú.

MEDIDAS ANTIJAPONESAS EN EL PERÚ

Con el sorpresivo ataque japonés a Pearl Harbor (7 de diciembre ...

continue a ler