Crônicas Nikkeis #2 — Nikkei+ ~Histórias sobre Idiomas, Tradições, Gerações & Raças Miscigenadas~

Ser nikkei é intrinsecamente uma identidade com base em tradições e culturas mistas. Em muitas comunidades e famílias nikkeis em todo o mundo, não é raro usar tanto pauzinhos quanto garfos; misturar palavras japonesas com espanhol; ou comemorar a contagem regressiva do Reveillon ao modo ocidental, com champanhe, e o Oshogatsu da forma tradicional japonesa, com oozoni.

Atualmente, o site Descubra Nikkei está aceitando histórias que exploram como os nikkeis de todo o mundo percebem e vivenciam sua realidade multirracial, multinacional, multilingue e multigeracional.

Todos os artigos enviados à antologia Nikkei+ foram elegíveis para a seleção dos favoritos da nossa comunidade online. 

Aqui estão as suas histórias favoritas em cada idioma.

Para maiores informações sobre este projeto literário >>


Confira estas outras séries de Crônicas Nikkeis:

#1: ITADAKIMASU! Um Gostinho da Cultura Nikkei 
#3: Nomes Nikkeis: Taro, John, Juan, João? 
#4: Família Nikkei: Memórias, Tradições e Valores 
#5: Nikkei-go: O Idioma da Família, Comunidade e Cultura  
#6: Itadakimasu 2! Um Novo Gostinho da Cultura Nikkei
#7: Raízes Nikkeis: Mergulhando no Nosso Patrimônio Cultural

food en ja es pt

Gohan e Boa Sorte – Dando as Boas Vindas ao Ano Novo e a Novas Tradições

Akemashita Omedetou. 
Xin Nian Kuai Le. 
Happy New Year & Auld Lang Syne
.

É assim que damos as boas vindas ao Ano Novo na nossa família nipo-, sino-, e irlandesa-americana. Eu sou nipo-americana sansei da terceira geração, com raízes nas Montanhas Rochosas. Os ancestrais irlandeses-americanos do meu marido viajaram para a costa noroeste dos E.U.A. seguindo a Trilha do Oregon, e ele cresceu no Vale de San Fernando em Los Angeles. Nossas duas filhas são sino-americanas da primeira geração, tendo se unido à nossa família através de um processo de adoção internacional, viajando ...

continue a ler

identity en ja es pt

O Diário de uma Judoca Hapa Pirada

Ser artista marcial não era para ter acontecido na minha vida. O plano era para eu me concentrar nos estudos e ganhar boas notas. Mas o meu pai quis que o meu irmão menor entrasse no judô quando ele tinha cinco anos, e eu fiquei com ciúmes. Eu perguntei ao meu pai se poderia entrar também. Ele disse que sim, com a condição de que eu teria que continuar a praticar judô até receber a faixa preta. Eu agora deveria mencionar que o meu pai era um judoca sensei que exigia que todos na fam ...

continue a ler

identity en ja es pt

Duas cenas, um muro?

Essa já foi demais, pensou d. K. Se nem o Bira avisou! Não respondeu, apenas disse:

- Vou ver.

Confundir o cheiro do daikon fervendo com vazamento de gás deu nela um aperto no coração, de vergonha, talvez. Já não bastaram as tantas vezes que da porta de sua cozinha, ela dizia:

- Que cheiro estranho!

Era às quartas feiras que d. K já deixava preparado um monte de tsukemono de daikon para a semana.

O muro ia desde o fundo do quintal até o portão da frente separando as casas com um corredor de cada lado ...

continue a ler

community en ja es pt

Kokiti-san

Desde criança eu gostava muito de ler, então foram muitas as personagens de livros que me chamaram a atenção. Seja o valente Momotarô, seja o excêntrico Coelho Branco de “Alice no País das Maravilhas”, foram todas figuras muito atraentes para mim.

Mais tarde, quando estava no curso secundário, a personagem Heathcliff de “O morro dos ventos uivantes” me surpreendeu bastante pelo temperamento exacerbado. E na faculdade estudei as principais obras da Literatura do Brasil e de Portugal, onde também pude conhecer personagens das mais interessantes.

Mas, até hoje, não encontrei ninguém ...

continue a ler

identity en ja es pt

Retratos de um Álbum de uma Nikkei/Filipina

“A sua mãe é filipina?” a mãe de uma amiga me perguntou. Ela também é filipina. Ela sacode a cabeça e sorri, mas não de modo antipático. “Você parece mais japonesa”.

* * * * *

Tanto o meu primeiro nome quanto o meu sobrenome são japoneses. Nenhum dos meus nomes são de uma filipina. Mas aí tem a cor da minha pele, que na costa noroeste do Pacífico [nos E.U.A.] é chamada de “um bom bronzeado”. Eu sei preparar turón, lumpia e adobo. Eu sei fazer uma galinha teriyaki “completa”, usando uma receita de fam ...

continue a ler