Crônicas Nikkeis 8 — Heróis Nikkeis: Pioneiros, Modelos e Inspirações

A palavra “herói” pode ter significados diferentes para pessoas diferentes. Nesta série, exploramos a ideia de um herói nikkei e o que isso quer dizer para cada pessoa. Quem é o seu herói? Qual é a história dele? Como ele(a) influenciou sua identidade nikkei ou a conexão com sua herança cultural nikkei?

Aceitamos o envio de histórias de maio a setembro de 2019; a votação foi encerrada em 12 de novembro de 2019. Todas as 32 histórias (16 em inglês, 2 em japonês, 11 em espanhol, e 3 em português) foram recebidas da Austrália, Brasil, Canadá, Estados Unidos, Japão, México e Peru. Dezoito dessas submissões foram de colaboradores inéditos do Descubra Nikkei!

Aqui estão as histórias favoritas selecionadas pelo Comitê Editorial e pela comunidade Nima-kai do Descubra Nikkei.

* Estamos no processo de tradução das histórias selecionadas.


Seleções dos Comitês Editoriais:

Escolha do Nima-kai:

Para maiores informações sobre este projeto literário >>

Confira estas outras séries de Crônicas Nikkeis:

#1: ITADAKIMASU! Um Gostinho da Cultura Nikkei
#2: Nikkei+ ~Histórias sobre Idiomas, Tradições, Gerações & Raças Miscigenadas~
#3: Nomes Nikkeis: Taro, John, Juan, João?
#4: Família Nikkei: Memórias, Tradições e Valores
#5: Nikkei-go: O Idioma da Família, Comunidade e Cultura
#6: Itadakimasu 2! Um Novo Gostinho da Cultura Nikkei
#7: Raízes Nikkeis: Mergulhando no Nosso Patrimônio Cultural

identity en ja pt

Em busca de minhas raízes – Seguindo as pegadas de Matsugoro Ohto

Na primavera de 1869, um grupo de guerreiros do clã Aizu que sofreu derrota na Guerra Boshin1, desembarcou na Califórnia - que fervilhava nessa época com a corrida do ouro – e estabeleceu a colônia de imigrantes chamada “Colônia Wakamatsu”. O meu herói é Matsugoro Ohto, que fazia parte desse grupo e que, mais tarde, retornando ao Japão divulgou o vinho, cuja fabricação tinha aprendido enquanto estava nos Estados Unidos.

Matsugoro Ohto é o pai da minha trisavó, quer dizer, ele é o meu tataravô e eu sou sua descendente da 6ª geração. Desde criança estudei ...

continue a ler

culture pt

Heróis: sonho, trabalho e transformação

Oh! Sonhos! Sonhos! Sonhos! Nada está finalizado pela mão humana, principalmente quando ela está doutro lado do mundo. É com essas mãos calejadas pelo tempo, pela história, que o peso da cultura transforma a terra em arte, moldando a argila, religando cada elemento até chegar ao produto final. Tudo parece pronto e acabado. Não, nada disso está terminado até porque cada peça vai ser única e a natureza fará seu retoque final.

As marcas entre o vivido, o presente e o futuro são cada vez mais fortes, elas vêm unidas como um Sísifo ...

continue a ler

culture en ja es pt

Mine Okubo

A artista Mine Okubo é mais conhecida por Citizen 13660 [“Cidadão 13660”], um livro de memórias em quadrinhos sobre os campos de concentração de nipo-americanos. Ela se tornou a minha heroína enquanto eu estudava na Universidade da Califórnia (UC) em Riverside em 1979. Eu era uma jovem na casa dos 20 anos e me senti inspirada pelas realizações de Mine, vendo-a como parte da “mais grandiosa geração” que sobreviveu à Segunda Guerra Mundial. Ela fazia as coisas de acordo com o seu ponto de vista e sem dar satisfações a ninguém. Ela lutou ...

continue a ler

community en ja es pt

Meu Herói: Kiyoshi Kuwahara

Com o decorrer do tempo, o meu conceito de herói mudou notavelmente e as pessoas que eu, quando criança, admirava pelas suas façanhas e virtudes já não são mais as mesmas. Graças a “Pioneiros, Banco de Dados dos Imigrantes Japoneses no Peru (1899-1941)”, consegui obter as primeiras informações sobre o meu avô, como também, posteriormente, o Koseki (cadastro familiar japonês) de Kiyoshi, o qual por sua vez me ajudou a formar uma imagem mais completa do meu herói atual: o meu avô, Kiyoshi Kuwahara.

A minha infância foi passada ...

continue a ler

community en ja es pt

Miyoko Fujisaka, 95 anos – a nossa heroína

Miyoko Fujisaka nasceu em Osaka no dia 24 de setembro de 1924. Terceira filha de Sadakichi e Kuri Kawauchi, veio com a família para o Brasil no navio La Plata Maru, chegando no porto de Santos no dia 9 de janeiro de 1933.

A família foi encaminhada para trabalhar no plantio e colheita de café e algodão numa fazenda do noroeste do Estado de São Paulo.

Enquanto seus pais e os dois irmãos trabalhavam na roça, a menina Miyoko ficava em casa cuidando da irmãzinha e fazendo as tarefas domésticas.

Em 1941 ...

continue a ler