Crônicas Nikkeis 8 — Heróis Nikkeis: Pioneiros, Modelos e Inspirações

O prazo para o envio de artigos ao Heróis Nikkeis foi encerrado em 30 de setembro. Agradecemos a todos que nos enviaram suas histórias!

Leia as histórias Heróis Nikkeis e ajude-nos a selecionar a favorita da comunidade Nima-kai. >>
O último dia para votar é 8 de novembro de 2019.

A palavra “herói” pode ter significados diferentes para pessoas diferentes. Nas Crônicas Nikkeis 8: Heróis Nikkeis: Pioneiros, Modelos e Inspirações, queremos explorar o conceito do que é um herói nikkei e o que isso quer dizer para cada pessoa. Quem é o seu herói? Qual é a sua história e como ele(a) influenciou a sua identidade nikkei ou a sua conexão com a sua herança cultural nikkei?

Convidamos você a enviar as suas histórias, ensaios e outros textos em prosa. Os sujeitos devem ser nikkeis ou ter um elo significativo com a comunidade nikkei. Cada autor poderá enviar múltiplos textos. O prazo para o recebimento de artigos vai de 1º de maio até às 18h. (horário de Brasília) de 30 de setembro de 2019. Todas as histórias enviadas que atendam às diretrizes e critérios do projeto serão publicadas paulatinamente no Jornal Descubra Nikkei como parte da série “Heróis Nikkeis”.

Para maiores informações, visite 5dn.org/PTherois.

Confira estas outras séries de Crônicas Nikkeis:

#1: ITADAKIMASU! Um Gostinho da Cultura Nikkei 
#2: Nikkei+ ~Histórias sobre Idiomas, Tradições, Gerações & Raças Miscigenadas~
#3: Nomes Nikkeis: Taro, John, Juan, João?
#4: Família Nikkei: Memórias, Tradições e Valores
#5: Nikkei-go: O Idioma da Família, Comunidade e Cultura
#6: Itadakimasu 2! Um Novo Gostinho da Cultura Nikkei
#7: Raízes Nikkeis: Mergulhando no Nosso Patrimônio Cultural

culture pt

Heróis: sonho, trabalho e transformação

Oh! Sonhos! Sonhos! Sonhos! Nada está finalizado pela mão humana, principalmente quando ela está doutro lado do mundo. É com essas mãos calejadas pelo tempo, pela história, que o peso da cultura transforma a terra em arte, moldando a argila, religando cada elemento até chegar ao produto final. Tudo parece pronto e acabado. Não, nada disso está terminado até porque cada peça vai ser única e a natureza fará seu retoque final.

As marcas entre o vivido, o presente e o futuro são cada vez mais fortes, elas vêm unidas como um Sísifo ...

continue a ler

community pt

Miyoko Fujisaka, 95 anos – a nossa heroína

Miyoko Fujisaka nasceu em Osaka no dia 24 de setembro de 1924. Terceira filha de Sadakichi e Kuri Kawauchi, veio com a família para o Brasil no navio La Plata Maru, chegando no porto de Santos no dia 9 de janeiro de 1933.

A família foi encaminhada para trabalhar no plantio e colheita de café e algodão numa fazenda do noroeste do Estado de São Paulo.

Enquanto seus pais e os dois irmãos trabalhavam na roça, a menina Miyoko ficava em casa cuidando da irmãzinha e fazendo as tarefas domésticas.

Em 1941 ...

continue a ler

community pt

Meu tio inesquecível

Criança ainda, costumava ler uma revista de circulação mensal que até hoje existe, na qual tinha uma seção chamada “Meu tipo inesquecível”, a minha preferida, onde era retratada a vida de personagens marcantes. Pessoas comuns que, por suas qualidades ou atitudes, haviam se destacado ou influenciado a vida de outras, igualmente comuns.

Uma figura inesquecível para mim foi o Tio Yotiam ou Tim para muitos, meu falecido tio pelo lado materno, que nos deixou um legado de coisas boas e alegres, além de uma imensa saudade. A lembrança do Tio Yotiam não ...

continue a ler

identity ja

私のルーツ ~大藤松五郎の足跡~

1969年春、戊辰戦争で敗れた会津藩士の一団が、当時ゴールドラッシュに沸いたカリフォルニアに渡り「若松コロニー」という入植地を築きました。彼らに同行し、のちに現地でワイン醸造を学び、その後帰国して日本にワインを広めたと言われる大藤松五郎(おおとうまつごろう)が、私にとってのヒーローです。松五郎は、私の高祖母の父、つまりひいひいひいおじいさんで、私はその6代目の子孫にあたります。子どもの頃から英語を学んでいた私は、いつか海外に行って自分の知らない世界を見てみたい、色々な人と関わってみたいという願望を持っていました。その夢を叶えるため、高校生のときにイギリスに留学しましたが、私の先祖が、150年前に同じように日本を出て海を渡ったとは思いもしませんでした。なにか運命的なつながりを感じます。

私が松五郎という存在を知り、調べてみようと思ったきっかけは ...

continue a ler

community es

Mi oba, ¡qué mejor inspiración!

¿Quién me inspira a ser mejor? Creo que mi oba. Aunque hasta ahora, no sé cómo ella hacía para luchar contra los problemas, salir adelante y ayudar a los demás. Y, como si fuera una heroína, nunca esperaba nada a cambio.

Mi oba tenía 92 años cuando falleció y yo, 9. ¡Había más de 80 años de diferencia entre nosotras! Y creo que eso le daba cierto “halo” de misterio a mi oba. Nunca me contó sobre su historia. Apenas soltaba comentarios espontáneamente, de cuatro o cinco palabras, que ...

continue a ler