Laura Honda-Hasegawa

Nasceu em 1947, em São Paulo, Brasil. Formou-se na Universidade de São Paulo em Letras e Pedagogia, tendo atuado durante 30 anos como educadora. Colaborou na imprensa nipo-brasileira com matérias sobre a comunidade nikkei e a cultura japonesa. Em 1991 publicou seu primeiro romance “Sonhos bloqueados”, em 1993 participou de “Antologia de Poesia Nikkey” e em 2002 de “Pátria Estranha”, antologia de contos. “OHAYO Bom dia” é seu primeiro trabalho bilíngue (japonês-português).

Atualizado em abril de 2011

identity ja pt

Histórias de Decasséguis

História nº 29: A canção do decasségui

Erik e Emily são irmãos gêmeos. Quando estavam com cinco anos seus pais se separaram e a guarda deles ficou com o pai. Passados dois anos, o pai teve de ir trabalhar no Japão e os gêmeos permaneceram no Brasil aos cuidados dos avós paternos.

O avô tinha uma loja de produtos alimentícios japoneses e a avó, salão de cabeleireiro, portanto, eram bastante ocupados, mas Erik e Emily foram criados com muito carinho e amor.

Embora nikkeis de segunda geração, tanto o avô como a avó gostavam muito de música ...

continue a ler

migration ja pt

Histórias de Decasséguis

História nº 28 (Parte II) 27 anos depois, a volta à terra natal

Ler Parte I >>

Massahiro Shibata, 46 anos, 25 morando no Japão. Voltou a Presidente Prudente, sua terra natal, após 27 anos.

A cidade não havia mudado tanto como imaginava. “Será que alguém vai me reconhecer?” – se perguntava andando pelas ruas e logo vinham pessoas para conversar com ele:

- Se lembra de mim? Sou a baachan do Kiyoshi.

- Nossa! Você não mudou nada, hein?

- E a família, veio junto?

- Então, Prudente mudou desde aquele tempo, não?

- Soube que se casou com moça do Japão. Parabéns!

- Sabe o meu filho Sabu-chan ...

continue a ler

identity pt

OHAYO Bom dia II

No Brasil sempre fui “a japonesa”, mas em Portugal virei “a brasileira”!

Outro dia li “Astro”, escrito por Hudson Okada e publicado neste site e, na mesma hora, lembrei um fato ocorrido comigo anos atrás.

Nasci na Capital de São Paulo, filha de pai japonês e mãe nikkei filha de imigrantes japoneses. Portanto, minhas feições são de uma japonesa, tanto que quando estou no Japão, enquanto não abro a boca, todos pensam que sou japonesa nata. Sim, porque o nikkei (pelo menos nós brasileiros) sempre acaba se traindo pela pronúncia um tanto peculiar ao falar japonês.

Durante minha infância e ...

continue a ler

community en ja es pt

Histórias sobre o Oshogatsu Nikkei de 2017 - Parte 1

No nosso boletim eletrônico de janeiro, o Discover Nikkei pediu o envio de histórias sobre o Oshogatsu. Convidamos os nossos leitores nikkeis de todo o mundo para nos mostrar, através de fotos e palavras, como eles deram as boas-vindas ao Ano Novo. Recebemos várias histórias escritas em inglês, japonês e português. Uma narrativa, escrita por Justin Inahara (inglês), foi tão longa que tivemos que publicá-la separadamente. O restante se encontraabaixo para a sua leitura. Divirta-se!

 

* * * * * 

Medidas Desesperadas da Mulher in-Chanto
Por Naomi Hirahara

Teve vezes que eu fiz ...

continue a ler

migration ja pt

Histórias de Decasséguis

História nº 28 (Parte I): 27 anos depois, a volta à terra natal

“Diz que o Massa está voltando!”

“Quem? Um dos filhos do Shibata-san?”

“Isso. Massahiro, o terceiro dos filhos, está chegando!”

“Já faz quantos anos, hein?”

“Mais de 20 e tantos anos, né?”

Foi em maio de 1990 que Massahiro deixou para trás a cidade de Presidente Prudente, onde tinha nascido e se criado. Tinha 19 anos.

Quando criança vivia com seus pais e dois irmãos mais velhos. Na volta da escola, ficava jogando bola no campinho com os colegas, soltando pipa, convidando a turma para passar em sua casa e saborearem todos juntos o famoso botamochi da ...

continue a ler