Histórias de Decasséguis

Em 1988 li uma notícia sobre decasségui e logo pensei: “Isto pode dar uma boa história”. Mas nem imaginei que eu mesma pudesse ser a autora dessa história...

Em 1990 terminei meu primeiro livro e na cena final a personagem principal Kimiko parte para o Japão como decasségui. Onze anos depois me pediram para escrever um conto e acabei escolhendo o tema “Decasségui”. 

Em 2008 eu também passei pela experiência de ser decasségui, o que me fez indagar: O que é ser decasségui?Onde é o seu lugar?

Eu pude sentir na pele que o decasségui se situa num universo muito complicado.

Através desta série gostaria de, junto com você, refletir sobre estas questões.

identity ja pt

História nº 29: A canção do decasségui

Erik e Emily são irmãos gêmeos. Quando estavam com cinco anos seus pais se separaram e a guarda deles ficou com o pai. Passados dois anos, o pai teve de ir trabalhar no Japão e os gêmeos permaneceram no Brasil aos cuidados dos avós paternos.

O avô tinha uma loja de produtos alimentícios japoneses e a avó, salão de cabeleireiro, portanto, eram bastante ocupados, mas Erik e Emily foram criados com muito carinho e amor.

Embora nikkeis de segunda geração, tanto o avô como a avó gostavam muito de música ...

continue a ler

migration ja pt

História nº 28 (Parte II) 27 anos depois, a volta à terra natal

Ler Parte I >>

Massahiro Shibata, 46 anos, 25 morando no Japão. Voltou a Presidente Prudente, sua terra natal, após 27 anos.

A cidade não havia mudado tanto como imaginava. “Será que alguém vai me reconhecer?” – se perguntava andando pelas ruas e logo vinham pessoas para conversar com ele:

- Se lembra de mim? Sou a baachan do Kiyoshi.

- Nossa! Você não mudou nada, hein?

- E a família, veio junto?

- Então, Prudente mudou desde aquele tempo, não?

- Soube que se casou com moça do Japão. Parabéns!

- Sabe o meu filho Sabu-chan ...

continue a ler

migration ja pt

História nº 28 (Parte I): 27 anos depois, a volta à terra natal

“Diz que o Massa está voltando!”

“Quem? Um dos filhos do Shibata-san?”

“Isso. Massahiro, o terceiro dos filhos, está chegando!”

“Já faz quantos anos, hein?”

“Mais de 20 e tantos anos, né?”

Foi em maio de 1990 que Massahiro deixou para trás a cidade de Presidente Prudente, onde tinha nascido e se criado. Tinha 19 anos.

Quando criança vivia com seus pais e dois irmãos mais velhos. Na volta da escola, ficava jogando bola no campinho com os colegas, soltando pipa, convidando a turma para passar em sua casa e saborearem todos juntos o famoso botamochi da ...

continue a ler

community ja pt

História nº 27 (Parte II): Um presente do Céu

Ler Parte 1 >>

Minha querida neta Hirari

Aqui quem escreve é Ryoko Tokunaga, a sua avó do Japão.

Você deve ter ficado muito surpresa, não? Peço que me perdoe por não ter respondido durante todos esses anos.

As cartas que você enviou (22 no total) eu li todas. As fotos e os cartões de Natal também estão guardados com muito carinho, como se fosse um tesouro dos mais preciosos.

Você deve querer saber por que eu não escrevi nem uma vez até hoje.

Eu peço desculpas, mas é que aconteceram muitas coisas. Depois ...

continue a ler

migration ja pt

História nº 27 (Parte I): Um presente do Céu

Meu nome é Hirari. Acha um bom e interessante nome? É o que todo mundo fala. Mas, por que “Hirari”?

Foi a mamãe que escolheu. Ela é uma nikkei brasileira que foi trabalhar no Japão logo depois de terminar o ensino médio. Como queria muito entrar na faculdade, sua intenção era trabalhar uns dois anos, depois voltar ao Brasil, passar no vestibular e poder pagar seus estudos na faculdade.

Mamãe nasceu e cresceu no Brasil numa cidade do interior, então, ir viver no Japão e numa cidade grande foi uma experiência que deu alegrias e ...

continue a ler