Escolha o seu idioma de preferência para tirar o máximo proveito das páginas do nosso Jornal:
English 日本語 Español Português

Fizemos muitas melhoras nas seções do nosso Jornal. Por favor, envie-nos a sua opinião ao escrever para editor@DiscoverNikkei.org!

Crônicas Nikkeis 8 — Heróis Nikkeis: Pioneiros, Modelos e Inspirações

Bill Hosokawa: fora da frigideira

Foto: Bill e Alice Hosokawa. Cortesia do Museu Nacional Japonês Americano. Foto do estúdio Toyo Miyatake, presente da família Alan Miyatake (96.267.1118)

Ele estava sentado em sua cadeira especial, um cobertor cobria seus joelhos, o sol o aquecia. Ao seu redor, havia ruínas de cinco jornais. Sua tarefa matinal estava completa agora, ele havia checado o mundo. Ele queria ver como os jornais cobriam as mesmas histórias. No final de uma carreira notável, ele ainda era um definitivo jornalista.

Bill Hosokawa estava na nona década de vida, seus 70 anos como jornalista. Logo, ele se mudaria para Seattle para morar com a filha. A vida começou em Seattle há 92 anos e, como um salmão estratificado, ele retornaria e o ciclo da vida estaria completo.

Primogênito filho americano de pais imigrantes, seu pai queria ajudar seu filho Kumpei a se matricular na escola pública, de modo que "William" seria um bom nome. Como outros filhos de imigrantes, Kumpei Bill Hosokawa foi para a escola pública sem falar inglês. Bom aluno, ele gostava de Inglês e História Americana. Os filhos de imigrantes japoneses estavam entre a educação americanizadora e a história de sua família, cultura e tradições baseadas em um país que era apenas um esboço do mundo global da sala de aula.

O pai de Bill, Setsugo Hosokawa, veio para a América aos 16 anos para trabalhar na ferrovia. Ele deixou a ferrovia e viajou por aí como trabalhador agrícola, empregado e doméstico, antes de se estabelecer em Seattle, dirigindo uma agência de empregos. Em 1913, Setsugo voltou ao Japão para conhecer Kimiyo, a noiva que havia sido selecionada para ele. Talvez ela não tivesse escolha a não ser seguir um aventureiro desconhecido até a América, embora ele fosse bem bonito com bigode, chapéu-coco e óculos sem aro.

Eles tiveram dois filhos. Bill era muito introvertido em comparação com seu irmão mais novo, Ritsuro, americanizado como Robert. Bill era um gigante com 1,78m e cerca de 68 quilos e era muito maior que seus colegas nisseis. Nas fotos de família, ele se erguia acima de seus pais e irmão, que tinham pouco mais de um metro e meio.

Aos 14 anos, Bill entrou na Garfield High School, em Seattle. Durante os verões, Bill se juntava a muitos meninos nisseis que iam ao Alasca para trabalhar nas fábricas de conservas de salmão. Contratados e pagos como adultos, os meninos trabalhavam 60 horas por semana cortando e limpando peixes, alimentando máquinas de processamento com peixes e embalando latas para remessa. O salário era de US$ 75 por mês. Os meninos moravam em um barracão, um para brancos e outro para asiáticos.

O interesse de Bill pelo jornalismo se desenvolveu como editor de esportes do jornal do ensino médio. Durante os anos da Depressão, era difícil encontrar empregos no ensino médio e a faculdade era acessível. Em 1933, Bill se matriculou na Universidade de Washington para estudar Jornalismo. Ele morava em casa e à noite trabalhava para o Japanese American Courier publicado por Jimmie Sakamoto, um ex-boxeador cego por lesões no ringue. Bill não tinha salário. O Courier pagava sua mensalidade.

Pronto para se formar, Bill se reuniu com seu consultor de jornalismo e foi informado que nenhum jornal contrataria um "menino japonês". O único trabalho que Bill conseguiu encontrar foi como secretário do consulado japonês em Seattle, escrevendo cartas e discursos para o cônsul. O diplomata de carreira foi transferido para Singapura, onde escreveu a Bill que um editor japonês planejava um jornal em inglês e procurava um editor no estilo americano de jornalismo.

Bill enfrentou dois dilemas. Ele queria ir para Singapura? Mais importante, Alice, sua nova noiva, iria com ele? Alice cresceu em Portland e ela e o irmão mais novo moravam com a mãe viúva. Uma decisão difícil foi tomada e Bill e Alice se aventuraram à Singapura, onde Bill aprendeu todos os aspectos da administração de um jornal. Eles enfrentaram outro dilema depois de um ano e meio - retornar ou não aos EUA para o nascimento do primeiro filho. Havia preocupações sobre a qualidade dos cuidados de saúde na China e se Bill poderia encontrar emprego nos EUA. Eles decidiram que Bill permaneceria na Ásia. Durante esse período, ele desenvolveu uma compreensão mais profunda dos assuntos asiáticos. Como o Japão espalhou agressivamente sua influência por toda a Ásia, Bill ofereceu uma perspectiva única como americano; no entanto, às vezes, suas colunas eram interpretadas como pró-Japão.

Quando a guerra começou, Bill pegou o último navio para deixar a China e voltou a se unir à esposa e ao filho de 14 meses, dois meses antes do bombardeio de Pearl Harbor. A Ordem Executiva 9066 questionou a lealdade dos nipo-americanos. Como líder da comunidade nipo-americana de Seattle, Bill e outros trabalharam para o entendimento entre a comunidade e o governo. Eles defenderam a cooperação com os pedidos da O.E. 9066 como demonstração de lealdade ao governo. A suspeita persistiu de que Bill era pró-Japão com base em seus escritos anteriores. Os documentos do FBI fizeram com que ele comparecesse a um grande júri, porque trabalhara como secretário no Consulado do Japão em Seattle em 1937. O grande júri não considerou seu trabalho como secretário a ser indiciável. Os líderes nipo-americanos foram separados para evitar conluios. Do centro de assembleias em Puyallup, Washington, Bill e sua família foram com uma escolta armada para Heart Mountain em vez de Minidoka, Idaho, para onde foram enviados a maioria dos nikkeis de Seattle.

Em Heart Mountain, Bill foi editor do Heart Mountain Sentinel e ensinava inglês para que os alunos pudessem obter seu GED. Muitos dos livros e escritos posteriores de Bill registraram as experiências pré-guerra e de realocação.

O jornal do campo de concentração publicava notícias do campo, além de informar a população desta pequena cidade sobre eventos nacionais e notícias da frente de guerra. Havia funcionários da Autoridade Federal de Realocação de Guerra que gerenciavam a realocação. Um em particular, Vaughn Mechau, tinha responsabilidades de supervisão do Sentinel, garantindo que o conteúdo cumprisse as diretrizes do governo. As duas famílias continuaram amigas por muito tempo depois do campo de concentração. Vaughn foi o grande responsável por ter o jornal patrocinador Des Moines Register do Bill, para uma publicação antecipada do Heart Mountain.

Na estação de trem de Des Moines, a família foi recebida por Ross Wilbur, um membro dos Quakers. Os Quakers ajudaram na reentrada de internos, assim como ajudaram no reassentamento de outros grupos deslocados.

O Register era um jornal matinal, então Bill saiu na hora do jantar para pegar o ônibus e trabalhou a noite toda para colocar o jornal nas ruas ao amanhecer. A família, agora com quatro anos, havia economizado dinheiro suficiente para pagar a entrada da primeira casa. Apesar da contínua suspeita de nipo-americanos, a mudança para um novo bairro foi sem intercorrências. Pauline Lynam, um farmacêutico aposentado diminuto, havia se reunido com todos os vizinhos para contar a história da realocação.

Uma oportunidade surgiu no Denver Post. O Post era anti-japonês americano, descrevendo inimigos estrangeiros sendo mimados nos campos de concentração com moradia e comida confortáveis. Palmer Hoyt, o novo editor do Post, prometeu mudanças. Ele contratou Bill e eles se tornaram amigos íntimos.

A família cresceu de quatro para cinco e, em seguida, para seis. Estava na hora de encontrar um novo lar. East Denver era a área de crescimento, mas havia uma discriminação sutil e não tão sutil contra judeus, afro-americanos e latinos. Os Hosokawas encontraram objeções vigorosas ao se mudarem para um bairro. Um juiz aconselhou contra as objeções e os funcionários do Denver Post realizaram uma comemoração na nova casa dos Hosokawa em uma demonstração de apoio.

A carreira de Bill continuou a progredir como editor da seção da revista Sunday do Post, editora associada e correspondente de guerra, que cobria a Coréia e o Vietnã usando sua experiência em assuntos asiáticos. Como editor da Página Editorial, ele cobriu reuniões de cúpula e outros eventos. O Denver Post, de propriedade local, foi vendido ao Times Mirror em 1980. Muitos funcionários foram substituídos pelos novos proprietários, mas Bill permaneceu até 1984, quando se aposentou, apesar de achar que tinha mais a fazer.

O rival Rocky Mountain News o contratou. Sua nova coluna abordava as perguntas dos leitores, explicando os porquês e comos no mundo do jornalismo. Em 1976, o Japão havia indicado Bill como cônsul honorário japonês dos estados do Rocky Mountain, desenvolvendo relações comerciais e culturais entre os dois países até 1999, quando um cônsul pago em período integral foi nomeado.

Ao longo de sua carreira, ele causou polêmica. Seus primeiros escritos da Ásia eram às vezes vistos como pró-Japão. Seu título de livro, Nisei, The Quite Americans, foi criticado por estereotipar os americanos de ascendência japonesa como minorias quietas e obedientes quando deveriam resistir à realocação. A maioria de seus críticos eram jovens demais para ter experimentado os campos de concentração. Inicialmente, ele não favoreceu reparações para os internos, achando que colocar um preço na provação do campo de concentração era errado. Eventualmente, ele apoiava a reparação.

Bill escreveu 11 livros, a maioria deles narrou as experiências de nipo-americanos. Questionado sobre qual era seu melhor livro, ele disse: "Meu próximo livro". Bill foi homenageado de várias maneiras. Em 1961, ele foi indicado ao Prêmio Pulitzer por sua cobertura de distúrbios estudantis no Japão. Em 2003, ele recebeu o prêmio de realização vitalícia da Asian American Journalists Association [Associação de Jornalistas Asiáticos Americanos]. A Anti-Defamation League [Liga Anti-Difamação] concedeu o Prêmio Anual dos Direitos Civis em 2007. Ele se dedicou a garantir os direitos de todas as pessoas e após o 11 de setembro, falou vigorosamente contra a reação generalizada anti-muçulmana e anti-Oriente Médio. Hoje, memoriais a Bill Hosokawa estão no Denver Botanical Gardens e na Denver Public Library.

Refletindo sobre a vida de meu pai e suas influências em mim, devo muitos de meus sucessos aos meus pais. Bill era uma pessoa de princípios e compaixão. Ele tentou ver as coisas de várias perspectivas, talvez a razão pela qual seus primeiros escritos foram vistos como pró-Japão. Ele viveu o sonho americano; talvez a razão pela qual apoiou fortemente a cooperação com a O.E. 9066. Ele acreditava que cada pessoa tem histórias e nós conhecemos as pessoas por suas histórias. Ele conhecia pessoas de dentro para fora, e não de fora para dentro. Uma lição que aplico diariamente na educação dos médicos de amanhã.

 

© 2019 Michael Hosokawa

30 Estrelas

Os Favoritos da Comunidade Nima-kai

Cada um dos artigos enviados a esta série poderia ser selecionado como um dos favoritos de nossos leitores e Comitês Editoriais. Agradecemos a todos que votaram!

bill hosokawa father journalist media

Sobre esta série

A palavra “herói” pode ter significados diferentes para pessoas diferentes. Nesta série, exploramos a ideia de um herói nikkei e o que isso quer dizer para cada pessoa. Quem é o seu herói? Qual é a história dele? Como ele(a) influenciou sua identidade nikkei ou a conexão com sua herança cultural nikkei?

Aceitamos o envio de histórias de maio a setembro de 2019; a votação foi encerrada em 12 de novembro de 2019. Todas as 32 histórias (16 em inglês, 2 em japonês, 11 em espanhol, e 3 em português) foram recebidas da Austrália, Brasil, Canadá, Estados Unidos, Japão, México e Peru. Dezoito dessas submissões foram de colaboradores inéditos do Descubra Nikkei!

Aqui estão as histórias favoritas selecionadas pelo Comitê Editorial e pela comunidade Nima-kai do Descubra Nikkei.


Seleções dos Comitês Editoriais:

Escolha do Nima-kai:

Para maiores informações sobre este projeto literário >>


Confira estas outras séries de Crônicas Nikkeis:

#1: ITADAKIMASU! Um Gostinho da Cultura Nikkei
#2: Nikkei+ ~Histórias sobre Idiomas, Tradições, Gerações & Raças Miscigenadas~
#3: Nomes Nikkeis: Taro, John, Juan, João?
#4: Família Nikkei: Memórias, Tradições e Valores
#5: Nikkei-go: O Idioma da Família, Comunidade e Cultura
#6: Itadakimasu 2! Um Novo Gostinho da Cultura Nikkei
#7: Raízes Nikkeis: Mergulhando no Nosso Patrimônio Cultural