Escolha o seu idioma de preferência para tirar o máximo proveito das páginas do nosso Jornal:
English 日本語 Español Português

Fizemos muitas melhoras nas seções do nosso Jornal. Por favor, envie-nos a sua opinião ao escrever para editor@DiscoverNikkei.org!

Crônicas Nikkeis 8 — Heróis Nikkeis: Pioneiros, Modelos e Inspirações

Meu Herói: Setsutaro Hasegawa

Quando nasci, no início de 1960, a longa sombra da Segunda Guerra Mundial estava começando a desaparecer. Os anos 50 e 60 viram a onda após onda de imigrantes chegarem à Austrália, mas quase nenhum asiático ou japonês. A política branca da Austrália ainda prevalecia e, se a cor da minha pele significasse algo para passar por isso, mas eu ainda tinha meu nome japonês.

Meu pai, Raymond Taro Hasegawa, nasceu, filho de Leo Takeshi Hasegawa e neto de Setsutaro Hasegawa (ST Hasegawa), um imigrante japonês na Austrália que chegou em 1897 antes da federação e a promulgação da lei de restrição à imigração, conhecida como “Austrália branca”.

Nunca conheci o ST Hasegawa, como ele costumava assinar, e ele faleceu em 1952, na idade avançada de 81 anos. No entanto, sei que ele nasceu em Otaru, Hokkaido, era professor e o filho mais velho. Como muitos de sua geração, ele aproveitou a liberdade de viajar que se seguiu ao final da era Tokugawa e da promulgação das reformas Meiji. Ele chegou na Austrália no [navio] Yamashiro Maru em 1897 para trabalhar como auxiliar doméstico em Melbourne e para aprender inglês. Mais tarde, ele deixou o serviço de seu empregador e começou a trabalhar em lavanderias antes de se estabelecer na cidade de Geelong. Em 1905, ele era casado e o primeiro dos três meninos nasceu.

Em alguns aspectos, acho que o casamento e a chegada de três filhos foram fundamentais para manter ST Hasegawa na Austrália até sua morte, em vez de voltar para casa. Como filho mais velho, era de se esperar que ele cuidasse de sua família, como ditava a tradição, mas em 1911 ele era pai de três filhos e em 1914, pai solteiro.

Leo Takeshi, Moto Kozo e Joe nasceram com o sobrenome Hasegawa, mas apenas um deles morreu com ele. Parece que a vida seguiu um caminho bastante direto para a família Hasegawa em Geelong até o início da Segunda Guerra Mundial. Tudo isso mudou no dia seguinte ao bombardeio de Pearl Harbor e à guerra declarada no Japão, quando ST Hasegawa foi preso e confinado em Tatura. Ao mesmo tempo, Leo Takeshi juntou-se ao exército, enquanto Moto Kozo trabalhava em Melbourne e Joe atuava como contador.

Os filhos de Leo Takeshi, os quais havia oito, moraram com ST Hasegawa na casa que comprara na década de 1920. A Segunda Guerra Mundial foi uma época difícil, o nome Hasegawa, juntamente com a aparência asiática, trouxe o pior para algumas pessoas, mas não para todas. Minha tia Matsu, adolescente durante a guerra, conta que pedras foram atiradas contra ela por causa de sua herança japonesa. Enquanto estava em Melbourne, Moto Kozo, já se cansara de ser chamado de "Jap" e decidiu que o mais fácil para ele e sua família seria adotar o nome perdido de solteira de sua mãe, Cole.

ST Hasegawa, agora em seus setenta anos, garantiu uma libertação antecipada de Tatura por motivos compassivos em 1943. Ele estava sujeito a restrições, mas foi autorizado a viver com sua família na Rua Little Ryrie 21, pelo resto da guerra.

No mundo moderno, assistimos televisão, ouvimos música, navegamos na Internet e viajamos. Nas épocas de pré-televisão e internet, ST Hasegawa passava seu tempo, quando não estava trabalhando, jardinando e criando peixes e pássaros dourados. A casa em Little Ryrie St tinha um belo jardim de pedras em estilo japonês no jardim da frente, enquanto a parte de trás era repleta de viveiros de peixes e gaiolas de pássaros. A lenda da família diz que pessoas de todos os lugares vinham ver o jardim.

Naqueles dias, se você queria comida japonesa, precisava caminhar até o cais de Geelong, quando os navios japoneses estavam na cidade para comprar lã e escambo com marinheiros japoneses. Dizem que enquanto ST Hasegawa ainda estava vivo, sempre havia picles japoneses na casa. A comunidade japonesa em Geelong era pequena e consistia em 4 homens que, junto com meu bisavô, casaram-se com mulheres australianas e tinham lavanderias. Disseram-me que eles se reuniam regularmente para conversar em japonês.

Quando cheguei na década de 1960, o jardim japonês em Little Ryrie St havia caído em negligência. Os viveiros de peixes estavam vazios, as gaiolas haviam desaparecido há muito tempo e a memória de ST Hasegawa havia desaparecido. Em 1956, depois que seu pai morreu, o filho mais novo, Joe, mudou seu nome para Cole e expurgou a memória de uma herança japonesa. Leo, meu avô, manteve seu nome até a morte, assim como seus três filhos. Matsu, filha de Leo, era mais conhecida como Sue, a segunda e a terceira geração e as pessoas ao seu redor muitas vezes se sentiam desconfortáveis com a ideia de herança japonesa.

Muitas vezes, pergunto-me por que fui eu, a 4ª geração, que se interessou pela minha herança japonesa. Em retrospectiva, posso ver que não há uma razão, mas muitas. Minha curiosidade começou em casa, pois meu pai reuniu vários itens pertencentes a seu avô, incluindo seu passaporte, relógio de bolso, ábaco e outros. Quando criança, lembro-me dele mostrando esses tesouros da família e falando sobre seu avô. Isso deixou uma impressão em mim e, ao longo do caminho, fiquei cada vez mais curioso. Na aparência, eu era um garotinho que crescia no distrito branco anglo-oeste de Victoria que parecia com eles, por outro lado, não.

Também foi uma época em que as atitudes em relação ao Japão estavam em transição, ou seja, passavam do estado pária para nosso maior parceiro comercial e uma fonte de grande interesse, pois seus bens de consumo, animação e comida cativavam nossa atenção e imaginação. Quando garoto, no início dos anos 70, lembro-me de visitar a Sukiyaki House, um restaurante japonês na cidade de Melbourne, onde a maioria das garçonetes era noiva da guerra japonesa e uma delas escreveu meu sobrenome em japonês. Deve ter sido o primeiro restaurante japonês em Melbourne e foi certamente a minha primeira experiência em conhecer japoneses e participar de sua culinária. Foi, em muitos aspectos, o início de uma associação ao longo da vida com o país do meu bisavô.

Quanto a mim, acabei morando no Japão, primeiro no início dos anos 80 como estudante e nos últimos anos como empresário. Em suma, minha herança tornou-se minha vida. Em reflexão, posso ver que a 2ª e a 3ª gerações da família Hasegawa tiveram que lidar com questões complexas relacionadas à raça e ao ódio, particularmente durante a guerra e suas consequências, que os fizeram evitar sua herança japonesa. Tem sido muito mais fácil para mim.

 

© 2019 Andrew Hasegawa

17 Estrelas

Os Favoritos da Comunidade Nima-kai

Cada um dos artigos enviados a esta série poderia ser selecionado como um dos favoritos de nossos leitores e Comitês Editoriais. Agradecemos a todos que votaram!

Australia japanese australian migration Tatura World War II

Sobre esta série

A palavra “herói” pode ter significados diferentes para pessoas diferentes. Nesta série, exploramos a ideia de um herói nikkei e o que isso quer dizer para cada pessoa. Quem é o seu herói? Qual é a história dele? Como ele(a) influenciou sua identidade nikkei ou a conexão com sua herança cultural nikkei?

Aceitamos o envio de histórias de maio a setembro de 2019; a votação foi encerrada em 12 de novembro de 2019. Todas as 32 histórias (16 em inglês, 2 em japonês, 11 em espanhol, e 3 em português) foram recebidas da Austrália, Brasil, Canadá, Estados Unidos, Japão, México e Peru. Dezoito dessas submissões foram de colaboradores inéditos do Descubra Nikkei!

Aqui estão as histórias favoritas selecionadas pelo Comitê Editorial e pela comunidade Nima-kai do Descubra Nikkei.


Seleções dos Comitês Editoriais:

Escolha do Nima-kai:

Para maiores informações sobre este projeto literário >>


Confira estas outras séries de Crônicas Nikkeis:

#1: ITADAKIMASU! Um Gostinho da Cultura Nikkei
#2: Nikkei+ ~Histórias sobre Idiomas, Tradições, Gerações & Raças Miscigenadas~
#3: Nomes Nikkeis: Taro, John, Juan, João?
#4: Família Nikkei: Memórias, Tradições e Valores
#5: Nikkei-go: O Idioma da Família, Comunidade e Cultura
#6: Itadakimasu 2! Um Novo Gostinho da Cultura Nikkei
#7: Raízes Nikkeis: Mergulhando no Nosso Patrimônio Cultural