Crônicas Nikkeis #9—Mais do Que um Jogo: Esporte Nikkei

O que faz do esporte nikkei algo mais do que apenas um jogo para você? Pode ser que você queira escrever sobre o seu herói esportivo nikkei ou sobre o impacto dos atletas japoneses na sua identidade nikkei. Seus pais se conheceram através de uma liga nikkei de basquete ou boliche? Você se sente intrigado com algum capítulo importante na história do esporte nikkei, como os times de beisebol isseis e nisseis anteriores à Segunda Guerra Mundial?

Para a nona edição das Crônicas Nikkeis, o Descubra Nikkei pediu que histórias relacionadas ao esporte nikkei nos fossem enviadas entre junho e outubro de 2020. A votação foi encerrada em 30 de novembro de 2020. Recebemos 31 histórias (19 em inglês; 6 em japonês; 7 em espanhol; e uma em português), sendo que algumas delas foram enviadas em v ários idiomas. Pedimos à nossa comunidade Nima-kai para votar nas suas histórias favoritas e ao nosso Comitê Editorial para escolher as suas favoritas. Aqui estão as favoritas!! (*Estamos no processo de tradução das histórias selecionadas.)

 

A Favorita do Comitê Editorial

Escolha do Nima-kai:

<<Patrocinador de la comunidad: Terasaki Budokan - Little Tokyo Service Center>>


Para maiores informações sobre este projeto literário >> 

 

Confira estas outras séries de Crônicas Nikkeis >>

sports en ja es pt

Por Que Ser Técnico Desportivo? O Legado de Bob Kodama como Técnico Desportivo de Jovens

Meu pai, Bob Seiko Kodama, era um nissei nascido em Seattle, no estado de Washington, em 1931. Seus pais administravam hotéis no centro de Seattle. Ele passou a fase inicial da sua vida explorando a orla. Em 1942, junto com 120.000 outros nipo-americanos, Bob e a sua família foram presos e enviados a um campo de internamento. Sua família foi enviada para Minidoka, no estado de Idaho. É difícil imaginar o que é ter 10 anos de idade e ser preso pelo seu próprio país por causa da sua aparência física. Durante o ...

continue a ler

sports en ja es pt

O Meu Amor e Vida no Esporte

Até a minha amada esposa Alice falecer repentinamente no ano passado, eu me considerava o homem mais sortudo do mundo. Nós tivemos um casamento feliz por 65 anos e tivemos 4 filhos adultos e 10 netos. Numa perfeita divisão de sexos, tivemos duas filhas e dois filhos, que por sua vez nos deram 5 netas e 5 netos.

Fazíamos quase tudo juntos – inclusive assistir um montão de jogos. No começo, assistimos as nossas filhas praticarem basquete e softbol no JAO [Japanese American Optimist Club]; arco e flecha, badminton, e basquete no colégio; e mais ...

continue a ler

sports en ja es pt

60º Aniversário: Perto do Coração

Carta para a minha neta Karina e meu neto Cristian:

São duas da manhã e no silêncio da sala ainda vejo a árvore de natal com as suas luzes apagadas, rígidas, e em notória transcendência as suas bolas coloridas evocam o prelúdio de uma nostalgia que, mesmo depois das festividades, a memória tem o encanto mágico de nos permitir desfrutar; a presença de uma menina de dez anos e o travesso impulso de um menino de seis.

Há uma imagem do simpático Papai Noel que esconde nas suas barbas brancas ...

continue a ler

sports en ja es pt

A história de família de Kenichi Doi, arremessador do Asahi Vancouver

Em 1926, quando o Vancouver Asahi conquistou a vitória na Liga Terminal, Kenichi Doi era o arremessador do time. Mas inicialmente ele jogou no “Sun”, um time de beisebol nikkei da Mina de Carvão nº 5 de Cumberland, na ilha de Vancouver.

Eu pude conhecer a história de Kenichi em detalhes graças ao meu amigo Norm Ibuki, que me apresentou ao seu amigo George Doi, o filho mais velho de Kenichi.

Quando Kenichi estava no auge da carreira como jogador de beisebol, George era ainda criança e diz não se lembrar de ter visto ...

continue a ler

sports en ja es pt

A ginástica japonesa de todos os dias

Toda manhã, faça chuva ou faça sol, lá estão elas para a prática de ginástica japonesa.

O local é uma quadra esportiva localizada no bairro de Chácara Inglesa, capital de São Paulo. Uma pequena equipe se reveza para as funções de abrir o portão de entrada e equipar o local com uma mesa e aparelho de som.

Como o bairro é habitado por grande número de nikkeis, não é de se estranhar que pelo menos trinta por cento das frequentadoras sejam de ascendência nipônica.

Aos poucos, elas vão chegando ...

continue a ler