Tim Asamen

Tim Asamen é o coordenador da Galeria Americana Japonesa, uma exposição permanente no Imperial Valley Pioneers Museum. Seus avós, Zentaro e Eda Asamen, emigraram de Kami Ijuin-mura, na prefeitura de Kagoshima, em 1919, e se estabeleceram em Westmorland, Califórnia, onde Tim reside. Ele ingressou no Kagoshima Heritage Club em 1994, atuando como presidente (1999-2002) e como o editor do boletim do clube (2001-2011).

Atualizado em agosto de 2013

culture en ja es pt

O léxico issei

Durante anos eu quis criar uma lista de palavras e frases nipo-americanas. Comecei a fazer uma lista para este artigo contendo palavras que, na maior parte, chegaram até nós através da geração issei. Não estou me referindo aos termos japoneses padrão, tais como shoyu (molho de soja) ou urusai (irritantemente barulhento), que a maioria dos nikkeisusam ou entendem porque eles têm o mesmo significado no Japão dos dias de hoje.O meu foco é em palavras ou expressões que se tornaram exclusivamente nipo-americanas pelas razões que explico abaixo.

Devo esclarecer que as ...

continue a ler

community en ja es pt

“Boas Festas” no Imperial Valley

Natal com a Família Kokubun

Pergunte a qualquer nissei do extremo sul do Imperial Valley [interior do sul da Califórnia, perto das fronteiras com o México e o Arizona] sobre as suas experiências natalinas de infância, e inevitavelmente as suas lembranças afetivas os levarão de volta à igreja da família Kokubun. O Reverendo Jingoro Kokubun era o pastor de duas igrejas cristãs não-denominacionais. Em 1920, ele fundou a Igreja Independente de Calexico ea Igreja da União em El Centro.

O Rev. Kokubun veio da região de Tohoku, no nordeste ...

continue a ler

identity en ja es pt

Crônicas Nikkeis #5 — Nikkei-go: O Idioma da Família, Comunidade e Cultura

Tentando Entender o Sotaque Japonês da Vovó—Meu Primeiro Passo na Descoberta do Nikkei-go

Eu moro numa fazenda no Imperial Valley, localizado no extremo sudeste da Califórnia. Os meus avós isseis estabeleceram a nossa fazenda antes da Segunda Guerra Mundial, quando milhares de imigrantes japoneses converteram o deserto estéril em terras férteis de cultivo. Quando eu estava crescendo, a minha avó tambémmorava na fazenda, na casa original que os meus avós haviam construído em 1930. Eu ainda me lembro quando a casa não tinha banheiro interno; haviaapenas um anexo—o qual a gente chamava de benjo—e um furoba (banheiro ao ar livre). Depois que os ...

continue a ler

identity en

Japanese American Name Culture - Part 2

Read Part 1 >>

Cultural Heritage and Assimilation

The names that immigrant parents select for their American-born children say something about culture, customs, hopes, and dreams.

In a previous article I wrote about the popularity of the name George for Nisei boys. Most of them were named after George Washington. But some of them were actually named after the reigning sovereign of Great Britain at the time of their birth, such as actor and activist George Takei who was named after King George VI.

Names can reflect a desire among Issei to maintain a cultural connection and sense of pride in ...

continue a ler

identity en

Japanese American Name Culture - Part 1

Is it Eisenhauer or Eisenhower? Gonzalez or Gonzales? Yasuzo or Yasudo? Whether they are misspellings, attempts at assimilation, or expressions of individualism, the variations in the spelling of immigrant names make up a distinctive feature of the American experience. (By the way, that is why I am not keen on the idea of standardizing the spelling of Nikkei names – say, in accordance with the modified Hepburn system – for bibliographies and even library and archival collections.)

Nikkei name culture begins with the romanization of Japanese names. Upon arriving in America, the Issei had to learn how to write their names in ...

continue a ler