Célia Abe Oi

Célia Abe Oi é jornalista e historiadora. Trabalhou em periódicos ligados a comunidade nikkei, foi editora chefe da parte em português do jornal Diário Nippak e contribuiu em outros jornais. Editou diversas publicações, entre elas o Guia da Cultura Japonesa e os livros Beisebol – histórias de uma paixão e Piratininga, 50 anos Uma História da geração Nissei. Entre 1998 e 2007 atuou como diretora executiva do Museu Histórico da Imigração Japonesa no Brasil, em 2008 atuou em diversos projetos no centenário e foi uma das curadoras da exposição O Japão em Cada um de Nós.

Atualizado em novembro de 2008

community pt

Koutakuseis: uma comemoração histórica aos 80 anos - Parte 2 de 2

Leia a parte 1 >>

As comemorações do 80º Aniversário

As comemorações foram organizadas pelas seguintes entidades: Associação Koutaku do Pará, sediada em Belém e presidida por José Shigueyoshi Ono; Associação Nipo-Brasileira de Parintins presidida por Mario Barroso Taketomi e Associação Koutaku do Amazonas, sediada em Manaus e presidida por Valdir Hiçashi Sato.

Sobre as festividades, Antão Ikegami, representante em São Paulo da Associação Koutaku do Amazonas, relata que foram realizadas no dia 21 de outubro em Belém; depois em Parintins, em 23 de outubro e, finalmente, em Manaus ...

continue a ler

community pt

Koutakuseis: uma comemoração histórica aos 80 anos - Parte 1 de 2

A lei promulgada no dia 20 de outubro de 2011, pela Assembleia do Estado do Amazonas, foi histórica: o cultivo da juta passou a ser reconhecido com um ciclo de desenvolvimento econômico do Estado do Amazonas – e mais, consignou o “pedido formal de desculpas” pelos “excessos” cometidos durante a Segunda Guerra.

Certamente, este foi um ato carregado de simbolismo dos mais significativos na história da imigração japonesa no Brasil. Junto com as comemorações e homenagens, ele deu uma dimensão histórica jamais imaginada aos 80 anos do início do movimento de colonização ...

continue a ler

community pt

No Bunkyo, a homenagem aos condecorados Makoto Tanaka e Hiroshi Endo

Na noite do dia 13 de dezembro, cerca de 70 pessoas - entre familiares, amigos e representantes das entidades nipo-brasileiras -, estiveram reunidas no Salão Nobre para homenagear os condecorados do 23º ano da Era Heisei: Makoto Tanaka (Ordem do Sol Nascente, Raios de Ouro e Prata) e Hiroshi Endo (Ordem do Sol Nascente, Raios de Prata).

Coube ao presidente do Bunkyo, Kihatiro Kita, saudar os homenageados em nome das 35 entidades co-promotoras, que destacou ser “este um momento de muita alegria e orgulho para todos nós, visto que esta condecoração, representa o reconhecimento da importância das atividades ...

continue a ler

community pt

Publicações sobre nipo-brasileiros: Haine

Escolhi esse tema com uma finalidade muito singela. Minha atividade cotidiana, há muitos anos, está ligada à Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social (Bunkyo), e frequentemente tenho acesso às mais diferentes publicações relacionadas à história da imigração japonesa no Brasil.

Algumas são realizadas por editoras (famosas ou não); outras, por anônimos autores que enfocam suas trajetórias pessoais e/ou familiares; outras por grupos que contam sobre a evolução de suas entidades e/ou atividades.

Algumas adotam metodologias científicas; outras, não. Independente desse juízo de valores, acredito no ...

continue a ler

migration en pt

As múltiplas Identidades da Comunidade Nikkei

O Mito Do Eterno Retorno

Os dados estatísticos de 2007 revelam que mais de 300 mil brasileiros estão trabalhando no Japão, ultrapassando os quase 250 mil japoneses que vieram para cá nesses cem anos do início de do processo de imigração ao Brasil.

Esses mesmos dados calculam que perto de 30% provavelmente não mais retornarão ao Brasil, justamente eles que seguiram com a finalidade de “ganhar dinheiro e retornar” à terra natal.

Interessante: essa mesma história já foi vivida por seus ancestrais que, pressionados pelas condições adversas de um país que tinha pressa em modernizar-se como ...

continue a ler