Tatiana Maebuchi

Nascida na cidade de São Paulo, é brasileira descendente de japoneses de terceira geração por parte de mãe e de quarta geração por parte de pai. É jornalista formada pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e blogueira de viagens. Trabalhou em redação de revistas, sites e assessoria de imprensa. Fez parte da equipe de Comunicação da Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social (Bunkyo), contribuindo para a divulgação da cultura japonesa.

Atualizado em julho de 2015

business pt

Uma tradição gastronômica de pai para filha e de nikkeis para brasileiros

Uma senhorinha sorridente atrás do balcão onde fica o caixa recepciona e agradece quem entra e sai do local, em meio ao bairro da Liberdade. Proprietária da tradicional pastelaria japonesa Yoka, Luiza Yokoyama, de 65 anos, guarda uma surpreendente história de família.

Nissei, se dedicou totalmente à criação e educação dos filhos. Para tanto, chegou a preparar massa de harumaki para vender. Até que aos 44 anos decidiu seguir os passos do pai, o imigrante japonês Takashi Yokoyama, e abriu sua própria loja de pastel com a ajuda dele.

O pioneiro Takashi ...

continue a ler

education pt

Michie Akama, uma educadora sonhadora à frente de seu tempo

Nascida no Japão e formada em Educação, Michie Akama vem para o Brasil na década de 1920 com a família para trabalhar na lavoura de café. Aqui, ela se depara com uma realidade muito diferente daquela que ela conhecia de sua terra natal, pois as pessoas não tinham acesso à escola. “Começa daí, então, o sonho dela de querer fazer alguma coisa dentro de um contexto educacional”.

Quem conta esta história é Irma Akamine Hiray, ex-professora e atual diretora-geral do Centro Educacional Pioneiro, a antiga escola chamada Casa de Ensino de Corte e Costura ...

continue a ler

food pt

Um doce cantinho japonês

Descendente das províncias de Hiroshima, Shizuoka e Saitama, a empresária Miriam Ishikava, de 36 anos, que é sansei, diz que “sempre foi colônia”.

A infância e adolescência foram fases cheias de atividades, que incluíam piano e teclado; saídas para o karaokê, onde cantava só músicas japonesas; treino de karate; além de natação e tênis de mesa.

Participou também da Seicho-No-Ie durante sete anos, o que a juntou a outros jovens em um grupo de dança de hip hop (street dance) voltada para nikkeis. Às vezes as pessoas falavam ...

continue a ler

community pt

Um líder comunitário de valores japoneses — Ronaldo Yuzo Ogasawara

Ronaldo Yuzo Ogasawara, de 39 anos, é empresário da área imobiliária, sansei e parte de suas raízes estão na província de Hokkaido, no extremo norte do Japão. 

Mora desde os quatro anos no bairro do Jardim da Saúde, em São Paulo, onde atua junto aos moradores e descendentes de japoneses no cargo de presidente do Conselho de Segurança Saúde-Vila Clementino e do Rotary Saúde.

Participa também de outras entidades nipo-brasileiras, como o Bunkyo – Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social.

Esta vida comunitária começou ...

continue a ler

identity pt

Japonês ou brasileiro?

Nascido no Brasil, Victor Keith Miamura é yonsei e, logo aos dois anos de idade, foi morar no Japão com seus pais, no fim dos anos 1980. Cresceu em Aichi, na cidade de Toyokawa.

“Nessa época eu tive que fazer uma cirurgia de apêndice. Aí, para pagar a cirurgia, pegaram dinheiro emprestado e depois para poder pagar a dívida eles decidiram ir para o Japão”, conta.

Japonês ou brasileiro?

No Japão, Keith diz que não sabia bem que era brasileiro e que perguntava para a mãe se o primeiro nome era mesmo Victor ...

continue a ler