Escolha o seu idioma de preferência para tirar o máximo proveito das páginas do nosso Jornal:
English 日本語 Español Português

Fizemos muitas melhoras nas seções do nosso Jornal. Por favor, envie-nos a sua opinião ao escrever para editor@DiscoverNikkei.org!

food

en ja es pt

Crônicas Nikkeis #6: Itadakimasu 2! Um Novo Gostinho da Cultura Nikkei

Sem tempo para ITADAKIMASU!

Crianças Nikkeis em Midway no início dos anos 50. Foto-cortesia de Lou (Takahashi) Yano.

O que é isso? Nunca ouvi falar disso enquanto cresci no Canadá do pós-guerra. Escolas de língua japonesa não existiam em Greenwood. A única palavra semelhante a isso era “Itai!” ou “Itai-na!”, quando um irmão ou irmã mais velha estavam empurrando você para o lado, para pegar o melhor assento na mesa da cozinha. Além disso, todos nós queríamos ser mais “canadenses”, que é a cultura anglo-canadense. Na Escola Sacred Heart, nós, crianças, aprendemos a cantar “Irish Eyes are Smiling” ou “Loch Lomond”. Embora a comida fosse branda em comparação com a comida japonesa, era um prazer ter as freiras nos fornecendo sanduíches de creme/geléia de amendoim e chocolate quente (cacao) no banquete da escola. No festival do Dia do Trabalho, o cachorro-quente era à vontade. Esse menino Nikkei se gabava de comer sete cachorros-quentes! Lembro-me que fui para sua casa para brincar e eu o vi comendo sua comida. Tudo o que vi foram montes de arroz com pedaços de mortadela e repolho. Uau! Não reclamei sobre nossas refeições depois disso.

No conforto da nossa casa, podíamos comer qualquer coisa que desejássemos sem sentir vergonha. Nossa família era sortuda, porque comíamos bem. Em vez de dizer “itadakimasu”, eu ficava empolgado quando cheirava uma grande panela de curry, “Eba, meu favorito 'Ka-re gohan'!” Vindo de uma família grande de nove pessoas, a etiqueta não era obrigatória. Na verdade, não havia nenhuma estrutura à mesa da cozinha. Se você fosse o último a se sentar, perdia a segunda porção. As crianças de Tasaka corriam da escola para casa para almoçar. Às vezes, era caótico! Irmãos e irmãs lutavam pela posição de assento, pauzinhos acenando de forma selvagem para chegarem ao okazu e alguns pegavam duas colheres de arroz para que não precisassem pegar por alguns segundos. Despeje o cozido de curry sobre o seu arroz e como uma cidade motorizada, coma rapidamente! Pegue o tsukemono com os dedos! Esmague o iwa nori entre as palmas das mãos. Com ka-re gohan, no entanto, a grande panela fornecia o suficiente para segundas porções.

Se a refeição fosse peixe ou hambúrguer, os pauzinhos tornavam-se lanças e as crianças apunhalavam-se neles. O irmão mais velho ou irmã eram muito cautelosos. Alguém dizia: “Ei, há um pica-pau!” Eu me virava para olhar pela janela e quando sentava novamente, uma carne havia desaparecido! Era um caos! Chorando e rindo em abundância. Oh, como nossos pais já suportaram aquilo diariamente?

Quando nossos pais serviam sashimi, kazunoko, ikura ou abalone, algumas crianças não gostavam de coisas cruas. Uma irmã não reclamava e ia ao porta-pães para fazer seu próprio sanduíche. Eu nunca gostei realmente de sashimi na minha juventude, mas meus pais e alguns dos irmãos amantes de peixe saboreavam essas iguarias. Quando eu realmente comia sashimi, enchia de molho de soja e gengibre ralado. Pegava uma pequena peça e engolia um bocado de arroz quente! Essa foi minha iniciação com o peixe cru.

Não podia imaginar como a vila de pesca de Steveston Nikkei podia comer pescado diariamente. Meus pais vieram dessa aldeia que está situada ao lado do poderoso rio Fraser. Então, descobri estes Isseis de Mio Mura, Wakayama, Japão, descobri muitas maneiras de preparar peixe. Um dos meus favoritos, satozuke é um salmão de qualidade mais pobre que é colocado em uma salmoura por vários dias. Então, o açúcar mascavo é aplicado no marinado. Satozuke é grelhado e gera um ótimo prato para comer junto com 'okai-san' ou okayu. Ta-re é a parte gorda da barriga do peixe que é uma iguaria. O salmão pode ser grelhado, frito, grelhado, defumado, salgado e cozido em molho de soja adoçado ou adicionado em mizutaki. Kamaboko (massa de peixe) é outro produto de peixe que usa salmão chum ou dog. O acompanhamento do tsukemono pode ser feito de pepino (pickles de cerveja), espinafre, repolho e/ou daikon.

Nossas refeições consistiam principalmente em mortadela frita, fatias de Prem ou Spam e na estação, saya endo (ervilhas) e pedaços de bacon frito. Na primavera e no verão, a truta apanhada no riacho nos fornecia peixe fresco. A truta arco-íris era nossa preferida. No outono, era época de caça, tínhamos então assado de blue grouse [espécie de ave] ou carne de veado. A carne de veado tinha um gosto característico de caça então meus pais usavam para fazer ensopado. Para acompanhamentos, havia tofu e todos os tipos de tsukemono. Ajinomoto e molho de soja sempre foram colocados sobre a mesa, e às vezes ketchup.

O banheiro, no início dos anos 50, foi construído perto da cozinha e na escada da porta dos fundos. Por quê? A maioria das crianças pequenas tinha medo do escuro para caminhar uma longa distância. No inverno, era muito gelado para andar na neve, sem falar em tentar sentar no assento congelado! No verão, era ainda pior! As moscas vinham para o almoço também! Mesmo quando papai possuía janelas e portas de tela, de alguma forma as moscas entravam quando alguém abria a porta. Eu poderia me referir a Zato Ichi quando ele pegava uma mosca com seus pauzinhos. Tínhamos um jornal enrolado à mão. Papai tinha essa engenhoca de fita curvada e ondulada que pendia do teto para pegar moscas. Como sobrevivemos? Acho que nos tornamos imunizados aos germes e bactérias. O que fazíamos era sobreviver.

A situação mudou completamente com nossas necessidades alimentares quando frequentamos a escola. Embora nunca comesse o almoço na escola, meu irmão mais novo queria se reunir com seus colegas na hora do almoço. Portanto, minha irmã preparava sanduíche, frutas e chocolate quente para ele. Nenhum Nikkei ousava levar bolinhos de arroz (onigiri), salsicha teriyaki e omelete de ovos para a escola. Se alguém o fizesse, outras crianças Nikkeis ficariam envergonhadas porque é comida “japonesa”. A maioria dos canadenses japoneses era auto-consciente de exibir qualquer coisa “japonesa” em público. Lembro-me da advertência da mamãe para não vestir zori para fazer compras ou vestir um yukata.

Jardim da Comissão Greenwood, 2016.

Havia uma exceção. Na competição de atletismo May Day, nenhum atleta Nikkei teria energia suficiente comendo sanduíche. As mães tinham que fornecer 'chikara ryori' com bolinhos de arroz, salsichas teriyaki, omelete de ovo e nori. Os pais Nikkeis procuravam por uma grande árvore mais distante da escola. Eles colocavam os cobertores sob a árvore para sombra e colocavam o alimento para piquenique. As crianças comiam em segredo cobrindo com a mão sobre o onigiri. Essa foi uma época em que não era legal ser 'Oriental'. A maioria tentou ser aceita na sociedade dominante.

Quão irônico isso é agora? Há mais lugares de sushi na costa oeste do que algumas das franquias de fast-food. Obento, ikura, uni e okonomiyaki não são mais palavras estrangeiras. Na Powell Street Matsuri, existem muitos caucasianos que usam yukata ou experimentam kimono. Os hakujin conscientes da saúde estão tomando matcha e uma variedade de chá verde ao invés do café ou chá preto. Meu amigo estava delirante sobre como toma muito chá verde. Eu respondi que “nós” já estamos tomando há milhares de anos! Como os tempos mudaram.

Atualmente, os Nikkeis canadenses podem ir a qualquer restaurante de ponta e pedir bife e lagosta. Os Isseis devem estar babando em seus ohaka. Para o Nissei, é bem diferente comer principalmente arroz com pedaços de okazu que consistiam em tsukemono caseiro, Spam ou mortadela. Yonseis não pensam para gastar $15-20 em hambúrguer e batatas fritas.

Alguns Nisseis tentam manter vivos os tradicionais alimentos “japoneses” que são exclusivamente Nikkeis. Pickles New Denver (Denbazuke), Kan-bah-lan-doh chow mein de Cumberland, B.C., Fuki (ruibarbo), matsutake e nori tori, kinpira (raízes de bardana) e karinto glaceados com teriyaki e salsichas teriyaki. Será que esses pratos se extinguirão no tempo em que a maioria dos Nikkeis forem Hapas?

O fuki de mais de 100 anos de Yorie Tasaka ainda está crescendo em sua antiga propriedade em Ganges, em Salt Spring Island nas Ilhas do Golfo.

 

© 2017 Chuck Tasaka

7 Estrelas

Os Favoritos da Comunidade Nima-kai

Cada um dos artigos enviados a esta série poderia ser selecionado como um dos favoritos de nossos leitores e Comitês Editoriais. Agradecemos a todos que votaram!

Canada food Greenwood Itadakimasu 2 Nikkei Chronicles satozuke tsukemono

Sobre esta série

Como a comida que você come expressa a sua identidade? Como a culinária ajuda a criar laços na sua comunidade e a unir pessoas? Que tipos de receitas foram passadas de geração à geração na sua família? Itadakimasu 2! Um Novo Gostinho da Cultura Nikkei revisitou o papel da culinária na cultura nikkei.

Nesta série, pedimos à nossa comunidade Nima-kai para votar nas suas histórias favoritas e ao nosso Comitê Editorial para escolher as suas favoritas. No total, cinco histórias favoritas foram selecionadas.

Aqui estão as histórias favoritas selecionadas.

  Editorial Committee’s Selections:

  Escolha do Nima-kai:

Para maiores informações sobre este projeto literário >>

Confira estas outras séries de Crônicas Nikkeis:

#1: ITADAKIMASU! Um Gostinho da Cultura Nikkei 
#2: Nikkei+ ~Histórias sobre Idiomas, Tradições, Gerações & Raças Miscigenadas~ 
#3: Nomes Nikkeis: Taro, John, Juan, João? 
#4: Família Nikkei: Memórias, Tradições e Valores  
#5: Nikkei-go: O Idioma da Família, Comunidade e Cultura