Escolha o seu idioma de preferência para tirar o máximo proveito das páginas do nosso Jornal:
English 日本語 Español Português

Fizemos muitas melhoras nas seções do nosso Jornal. Por favor, envie-nos a sua opinião ao escrever para editor@DiscoverNikkei.org!

Ansiedade de Separação: Paralelismo entre Eventos Passados e Atuais

Lágrimas umedecem meus olhos enquanto assisto e ouço a cobertura de notícias 24/7 sobre a aplicação da Tolerância Zero da política de imigração do Presidente Trump. Frequentemente referida como "sem compaixão", a política de Trump, mal planejada para dissuadir asilos em busca de imigrantes da América Central, os ‘pune’, separando-os de seus filhos! A percepção de que algumas dessas crianças nunca mais poderão ver seus pais é emocionalmente desgastante e irritante! Mesmo que sejam eventualmente reunidos, o impacto emocional negativo imediato prejudicará sua confiança e auto-estima pelo resto de suas vidas.

Bem-vindo à América, um país de imigrantes! E, antes da imigração, lar dos nativos norte-americanos!

Esses eventos atuais desencadeiam lembranças escondidas de acontecimentos passados e sentimentos da minha própria infância.

Durante os anos 1941-1945 da Segunda Guerra Mundial, os quatro irmãos de nossa família não foram arrancados de nossos pais, mas, como os EUA estão fazendo com famílias imigrantes que fogem de seus países, infestados de crimes perigosos, da América Central, como Honduras, El Salvador e Guatemala, nós, como muitas famílias fomos colocados similarmente em situações ruins de separação, não por nossa própria escolha.

Mãe, Kimiye Ono

Minha mãe contraiu tuberculose pouco depois de dar à luz ao nosso irmão Victor em 27 de maio de 1944 em Denver, Colorado, onde vivemos por menos de um ano. Ela teve que ser colocada em um Sanatório de TB em Boulder, Colorado, e separada de nós, seus quatro filhos e marido, que continuou a trabalhar para a Missão de Guerra Política Britânica junto com o Escritório dos EUA de Informações de Guerra, fazendo radiodifusão de propaganda de rádio secreta para o Japão.

Nós, quatro irmãos: Stanley, 5, eu, 4, Sandra, 2 e o recém-nascido Victor tivemos que ser devolvidos para Amache, o Campo de Recolocação da Guerra de Granada, onde o resto de nossas famílias estendidas Ono e Okamura ainda estavam encarceradas. 246 milhas, a 5 horas de carro de nossa mãe.

Nós quatro estávamos espalhados, aos cuidados de nossos avós maternos e paternos e uma tia, em três diferentes barracas do campo de concentração, sem nossos pais há mais de meio ano.

Amache (Foto: Administração de Arquivos e Registros Nacionais dos EUA)

Boletim de notas do Gary

Isso foi na época em que me lembro de pular em uma vala para escapar de um cachorro. Minha professora da escola maternal Amache, Mae Fujikawa, escreveu na Seção de Controle Emocional do meu boletim de notas:

“Gary tem medo de cachorros e fica chateado facilmente.”

Eu odeio admitir isso, mas eu era um pouco “chorão” aos 4-5 anos de idade. Estaria eu, sofrendo de ansiedade de separação?

(Tradução para o português) Controle Emocional: Gary tem medo de cachorros e fica chateado facilmente. Ele chora com facilidade e é ligado a membros de sua família.

Eu escrevi um ensaio de duas partes em 2012, “Doggone It”, sobre o meu incidente com o cachorro no campo de concentração e o fato de que muitas pessoas tiveram que ser separadas de seus animais de estimação por causa do governo dos EUA forçar a evacuação de 110.000 japoneses da Costa Oeste de suas casas e seus negócios, e seu encarceramento em dez campos de concentração durante a Segunda Guerra Mundial, porque éramos parecidos com o inimigo. Houve muitos exemplos de ansiedade de separação entre os donos de animais de estimação.

Percebi que há muitas fotografias nossas dos irmãos no campo de concentração e imagino que muitas foram compartilhadas com nossa mãe, que ficou sozinha no sanatório de Boulder, no Colorado, por mais de seis meses. Meus irmãos e eu sabíamos que estávamos separados de nossa mãe?

Crianças em Amache, esquerda-direita: Primo Phyllis Okamura, Gary, Sandi, Stanley e um vizinho não identificado (Victor não aparece)

Minha irmã, Sandi, que nasceu em 5 de agosto de 1942 no Centro de Reuniões Merced, o que precedeu a mudança para Amache em setembro de 1942, um mês depois, não se lembra de ter "perdido" a mãe em 1944, quando tinha 2 anos de idade. Hoje, eu só posso imaginar os estresses extras que minha mãe teve, dando à luz em um centro de reuniões rude do campo de concentração e se mudando para um campo “mais permanente” pouco depois? Em 1943, ela perdeu seu irmão próximo mais velho Hiroshi, 27, em um acidente de construção em Amache. Por um longo período nos anos 80, quando a conversa sobre a reparação começou, ela não queria falar sobre os anos de guerra. Poderíamos culpá-la?

Conversei com Stanley, que é um ano mais velho que eu, mas tendo conversado com ele antes, ele admitiu que não pensava muito em nossos anos no campo de concentração ou que sentia falta de nossa mãe. Eu lhe contei sobre esse outro registro no relatório e falei desse relato, ele deve sentir! Era "ele chorou pela presença da mãe e fez com que nós dois chorássemos!" Ele aceitou, mas ainda diz que não se lembra muito bem. Eu também não me lembro especificamente de ficar sem a nossa mãe, mas acho que estávamos representando nossas "ansiedades de separação".

(Tradução para o português) Controle Emocional: Ele chora quando seu irmão chora pela presença de sua mãe, mas ele se adaptou bem.

Eu suspeito que Victor, que era criança na época, hoje pode fazer piada sobre não ter sido amamentado, contribuindo com sua desculpa para "o jeito que ele é!", provavelmente tem alguns sentimentos latentes que seriam bons serem expressados por um profissional. Ele disse que sabe que gosta especialmente de nossa avó Kotora Ono e lembra de seus olhos lacrimejarem com frequência e precisar enxugar os olhos frequentemente. Isso eu também lembro, mas lembro muito disso depois de termos sido libertados do campo de concentração.

Espero que o nosso governo, sob o nosso frequentemente chamado de “narcisista” Presidente Trump, possa devolver todos os filhos de imigrantes separados e dispersos, aos seus sofredores pais, e possa parar as ansiedades de separação que eles devem estar experimentando. Temo que muitos irão cair entre as rachaduras de uma administração criminalmente incompetente e sem compaixão. Não afirmo que nós, irmãos Ono, sofremos tanto quanto estas crianças imigrantes dos eventos atuais, ou os maus-tratos de nativos norte-americanos e escravos africanos, mas acho que os paralelismos estão lá.

 

© 2018 Gary Ono

Amache children family separation anxiety Trump WWII