Escolha o seu idioma de preferência para tirar o máximo proveito das páginas do nosso Jornal:
English 日本語 Español Português

Fizemos muitas melhoras nas seções do nosso Jornal. Por favor, envie-nos a sua opinião ao escrever para editor@DiscoverNikkei.org!

sports

en ja es pt

Crônicas Nikkeis #9—Mais do Que um Jogo: Esporte Nikkei

Os Quatro Pescadores

Os Quatro Pescadores
X

Minha última viagem de pesca nas High Sierras [cadeia de montanhas nos estados da Califórnia e Nevada] foi no domingo, 7 de julho de 2019. Essas eram as nossas férias anuais em família, longe da nossa vida agitada na cidade. Nós nos chamávamos de “Os Quatro Pescadores”. Foi o meu marido, John, quem deu início a essa tradição de “família de pescadores”. Ele cresceu pescando em Fresno [cidade no centro da Califórnia]. Ele nunca esqueceu a alegria de pescar com o seu pai. Quando os seus filhos, James e David, chegaram à idade de conseguir segurar uma vara de pescar, ele os ensinou a pescar nas High Sierras. Isso agora virou uma tradição japonesa na nossa família. James e David automaticamente se tornaram membros dos quatro pescadores, enquanto que eu me tornei membro honorária.

John, James e David eram mestres no planejamento da jornada de 5 horas de Los Angeles ao June Lake, fazendo da viagem de carro uma coisa divertida. Colocamos as nossas roupas, equipamentos de pesca, isopores com gelo, água, lanchinhos, óculos de sol, chapéus, repelentes de inseto e protetor solar na nossa van. E estávamos prontos para partir.

James dirigiu primeiro de Los Angeles ao Deserto de Mojave. Fizemos a nossa parada anual no McDonald's para o café da manhã. John e eu compartilhamos um Big Breakfast com dois cafezinhos. James e David comeram os seus pratos do café da manhã com acompanhamento de batatas fritas e bebidas. Quando saímos por volta das 11h, a temperatura do lado de fora estava acima dos 30ºC.

David pegou o volante em Mojave, dirigindo pelas cidadezinhas de Lone Pine, Independence, e Big Pine, terminando em Bishop. Os nossos pontos favoritos em Bishop eram a Erick Schat’s Bakery [padaria] e a Mahogany Smoked Meats [carnes defumadas]. Na Schat’s Bakery, compramos pão de passas russo, bolo para café e vários tipos de cookies, incluindo chocolate chip, noz-pecã suiç a e biscoito amanteigado. No Mahogany Meats, compramos 4 sanduíches para viagem, e também saladas de batata para o nosso primeiro jantar na cabana em June Lake. Eu ainda comprei 3 pacotes de bacon defumado para levar para casa e 2 pacotes de pistache temperado com alho para o lanche. Então abastecemos a nossa van e voltamos para a estrada.

John dirigiu por último, de Bishop até Mammoth Lake. Nossa parada em Mammoth foi para comprar mantimentos no [supermercado] Vons. Compramos 6 sacolas cheias até o topo, com comida para o café da manhã e almoço, como também para o jantar caso não conseguíssemos pescar trutas o suficiente. Além disso, nos presenteamos com bebidas do Starbucks. Em seguida, John dirigiu direto para June Lake e chegamos ao nosso destino final, cabana n" 6. Essa era a nossa cabana favorita para passar 3 dias de pesca. Nós estávamos super entusiasmados!

Desempacotamos as nossas compras, roupas e lanches da Schat's Bakery e Mahogany Meats. Estávamos cansados e com fome depois da longa viagem. Nosso jantar foi tarde: sanduíches e saladas de batata da Mahogany. John e eu comemos o nosso Clássico Sanduíche de Peru; David, o seu Cubano da Califórnia, feito com presunto e frango; e James, o seu sanduíche Rodeo com rosbife, bacon defumado e queijo Monterey Jack apimentado. Depois do jantar, os homens ficaram montando as varas de pesca enquanto eu preparava onigiri (bolinhos de arroz) e sanduíches que eu tinha embalado com batatas fritas, cookies, frutas e água para o bentô (caixinha de lanche) do dia seguinte. Fomos dormir cedo naquela noite.

Na segunda-feira, 8 de julho, tomamos um café da manhã leve: sucrilho com leite ou bagels com cream cheese e café. Nosso primeiro local de pesca na área do June Lake foi o Grant Lake. Vimos patos nadando no lago e gaivotas voando no céu. O nível da água estava elevado no lago e as trutas estavam se escondendo entre as rochas. Tivemos que jogar as nossas linhas de pesca mais longe, mas elas sempre ficavam presas entre as pedras. Nossa paciência se esgotou quando os mosquitos começaram a picar a nossa pele e o sol quente passou a brilhar diretamente na gente. Não tinha árvores em volta do lago. Tratamos de passar protetor solar e repelente de insetos. Apesar de tudo, James e John conseguiram pescar uma truta cada um. David e eu não pescamos nenhuma, nem mesmo uma mordidinha.

Nosso segundo local de pesca foi o Rush Creek, um riacho profundo de correnteza rápida e com grandes arbustos e terreno pesado. Carregamos o nosso equipamento de pesca até o riacho. Estávamos lutando contra a correnteza, os ventos fortes e a espessa vegetação fluvial que escondia as trutas. Não foi à toa que não fisgamos nenhuma truta.

Voltamos para a cabana, almoçamos e limpamos as duas trutas [pescadas no Grant Lake]. Colocamos as trutas em saquinhos zip lock com um pouquinho de água e as armazenamos no freezer. Em vez de jantarmos as trutas, comemos frango assado, arroz cozido no vapor, salada de batata, salada de macarrão, e tomamos refrigerantes que havíamos comprado no mercado. Nossa sobremesa foi sorvete com frutas. Depois eu preparei mais lanches bentô. Conversamos sobre a nossa primeira vez sem conseguir pescar nada e jogamos nossos dois jogos favoritos, Hanafuda (jogo de cartas japonês com desenhos de flores) e Crazy 8, até a hora de dormir. Nas duas noites seguintes, repetimos esse ritual de pesca da família, limpando as trutas, jantando, preparando bentô, conversando sobre a pesca e jogando juntos.

Na terça-feira, 9 de julho, dirigimos 30 minutos até Mammoth Lakes. Nossos dois locais de pesca favoritos na área de Mammoth são Lake Mary e Lake George. O Lake Mary é um lago menor com rochas e pequenas colinas. Carregamos os nossos lanches, água e equipamento de pesca colina acima. Vimos gente pescando nas margens do lago ou nos seus barcos. Estava mais fresco naquele dia por causa das árvores ao redor do lago. Desta vez, eram as formigas que estavam mordendo. Quando jogamos as nossas linhas no lago, John fisgou uma truta bem grande. A truta grandona então saiu nadando rapidamente entre as rochas e as árvores caídas. A linha de pesca dele ficou enroscada num dos galhos e partiu. A truta grandona conseguiu escapar. David e eu fisgamos uma truta cada um, colocamos elas numa longarina e as jogamos no lago.

Estávamos comendo alguns biscoitos e batatas fritas quando ouvimos vozes gritando “Um urso está se aproximando!” John pegou a longarina com as duas trutas e subiu o morrinho correndo. James, David e eu o seguimos com cuidado. De repente, vimos um ursinho preto perambulando à cata de comida. Ele cheirou os nossos lanches, se sentou e comeu tudo. O urso saiu correndo quando ouviu um cachorro latindo.

Decidimos dirigir até o Lake George. Para não arriscar, almoçamos na van. O Lake George era um lago maior, cercado por montanhas e rodeado por grandes rochas e árvores altas. O lago era muito pitoresco, com uma grande cachoeira descendo a montanha e caindo nas profundas águas azuis em baixo. O tempo estava frio e ventoso porque já era tarde. Vimos esquilinhos e passarinhos pequenininhos procurando comida. James e David conseguiram pescar duas trutas. Eu pesquei uma, mas John não teve sorte. Ele não fisgou nenhuma. Soltamos as menores de volta no lago. A pesca foi mais uma vez devagar. Encerramos o dia, colocamos tudo de volta no carro e dirigimos até o centro de Mammoth.

Fizemos compras na loja Mammoth Antique Thrift e compramos os nossos pratos de jantar num café chamado Delicious Kitchen. Sobrevivemos ao nosso dia com o urso pedindo bebidas no Starbucks. Continuamos o nosso ritual de pesca da família, conversando sobre a trutona do John que tinha conseguido escapar, e curtimos os nossos jogos. Logo chegou a hora de dormir. Amanhã seria o nosso último dia de pesca.

Na quarta-feira, 10 de julho, voltamos ao Grant Lake e passamos a metade do dia pescando. David e eu pegamos uma truta cada um. Todos concordamos em almoçar na cabana, já que estava muito quente e os mosquitos estavam nos picando novamente. Limpamos os peixes e contamos quantos havíamos fisgado. John tinha pescado uma, James 3, David 4, e eu tinha pescado 3 trutas. O total foi 11 trutas. Ao invés de nos preocuparmos com a nossa modesta pesca, ficamos falando sobre o quanto tínhamos nos divertido juntos. Ainda nos considerávamos os quatro pescadores. Comemos no jantar o que havia sobrado, jogamos os nossos jogos, lavamos as nossas roupas sujas e começamos a fazer as malas para o dia seguinte. Essa foi a nossa última noite.

Na quinta-feira, 11 de julho, tomamos o café da manhã cedo, limpamos a cabana e jogamos o lixo fora. Botamos na van o resto das nossas roupas, nosso equipamento de pesca e nosso isopor com gelo repleto com as nossas 11 trutas congeladas. Estávamos prontos para a viagem. Nós nos revezávamos dirigindo para casa, parando nos nossos pontos favoritos e conversando sobre as melhores coisas da nossa pescaria. James e David curtiram a Mãe Natureza. Eles lembraram da beleza da cachoeira do Lake George, da rápida correnteza no Rush Creek, do urso preto do Lake Mary e dos patos nadando no Lake Grant. John sentiu um profundo apreço pela tranquilidade e paciência da pesca. Eu senti a calma e a paz das High Sierras.

Aprendemos a construir laços familiares mais fortes e a criar experiências inesquecíveis. Os quatro pescadores vão continuar como a nossa tradição japonesa para todo o sempre. Depois que não estivermos mais aqui, os nossos filhos formarão as suas próprias famílias de pescadores, mas eles nunca vão esquecer a sua última viagem. Nossa viagem de volta para casa foi a melhor de todas.

 

© 2020 Mary Sunada

11 Estrelas

Os Favoritos da Comunidade Nima-kai

Each article submitted to this series was eligible for selection as favorites of our readers and the Editorial Committees. Thank you to everyone who voted!

family tradition Fishing Nikkei Chronicles NikkeiSports

Sobre esta série

O que faz do esporte nikkei algo mais do que apenas um jogo para você? Pode ser que você queira escrever sobre o seu herói esportivo nikkei ou sobre o impacto dos atletas japoneses na sua identidade nikkei. Seus pais se conheceram através de uma liga nikkei de basquete ou boliche? Você se sente intrigado com algum capítulo importante na história do esporte nikkei, como os times de beisebol isseis e nisseis anteriores à Segunda Guerra Mundial?

Para a nona edição das Crônicas Nikkeis, o Descubra Nikkei pediu que histórias relacionadas ao esporte nikkei nos fossem enviadas entre junho e outubro de 2020. A votação foi encerrada em 30 de novembro de 2020. Recebemos 31 histórias (19 em inglês; 6 em japonês; 7 em espanhol; e uma em português), sendo que algumas delas foram enviadas em v ários idiomas. Pedimos à nossa comunidade Nima-kai para votar nas suas histórias favoritas e ao nosso Comitê Editorial para escolher as suas favoritas. Aqui estão as favoritas!! 

A Favorita do Comitê Editorial

Escolha do Nima-kai:

<<Patrocinador de la comunidad: Terasaki Budokan - Little Tokyo Service Center>>


Para maiores informações sobre este projeto literário >> 

 

Confira estas outras séries de Crônicas Nikkeis >>