Escolha o seu idioma de preferência para tirar o máximo proveito das páginas do nosso Jornal:
English 日本語 Español Português

Fizemos muitas melhoras nas seções do nosso Jornal. Por favor, envie-nos a sua opinião ao escrever para editor@DiscoverNikkei.org!

Crônicas Nikkeis #8—Heróis Nikkeis: Pioneiros, Modelos e Inspirações

Em busca de minhas raízes – Seguindo as pegadas de Matsugoro Ohto

Matsugoro Ohto e sua família

Na primavera de 1869, um grupo de guerreiros do clã Aizu que sofreu derrota na Guerra Boshin1, desembarcou na Califórnia - que fervilhava nessa época com a corrida do ouro – e estabeleceu a colônia de imigrantes chamada “Colônia Wakamatsu”. O meu herói é Matsugoro Ohto, que fazia parte desse grupo e que, mais tarde, retornando ao Japão divulgou o vinho, cuja fabricação tinha aprendido enquanto estava nos Estados Unidos.

Matsugoro Ohto é o pai da minha trisavó, quer dizer, ele é o meu tataravô e eu sou sua descendente da 6ª geração. Desde criança estudei inglês e sempre alimentei o sonho de um dia conhecer outros países e conviver com diversas pessoas. E para concretizar meu sonho ganhei uma bolsa de estudos e para a Inglaterra quando estava cursando o ensino médio, mas não imaginava que meu ancestral saíra do Japão cruzando os mares 150 anos antes. Sinto que foi uma obra do destino.

O que me levou a saber da existência de Matsugoro e despertou a vontade de pesquisar foi o que a minha avó dissera 6 anos antes: “O pai da Saku san partiu para a América na Era Meiji e foi lá que a Saku san nasceu...”

Na época eu era estudante do 9º ano do ensino fundamental e fiquei muito interessada em saber quem foi essa pessoa – o pai da minha trisavó Saku – que atravessou os mares logo depois que o Japão abriu os portos para o mundo. Desse modo, para minha tarefa das férias de verão escolhi fazer uma pesquisa sobre as minhas raízes, sobre a pessoa de Matsugoro Ohto, o meu tataravô.

Mas para começar a pesquisa eu não tinha nenhuma pista. Recorri então à Internet e digitei “Matsugoro Ohto”. E à medida que a pesquisa ia avançando, tudo indicava que em 1869 ele teria chegado na América a bordo do navio a vapor China, como um dos pioneiros da Colônia Wakamatsu. Nisto, consultei o Consulado Geral de San Francisco, no estado da Califórnia, que é onde se localizava a colônia de imigrantes, o qual me apresentou a American River Conservancy (ARC), organização que cuida da preservação da Colônia Wakamatsu.

Entrei em contato com a ARC e o resultado foi que pessoas que se dedicam com energia à pesquisa da Colônia Wakamatsu foram de grande ajuda me apoiando. Como eles não tinham a confirmação de que os fundadores da Colônia Wakamatsu haviam retornado ao Japão, jamais imaginariam que uma estudante secundária japonesa fosse entrar em contato com eles para dizer: “Eu sou descendente de um dos fundadores da Colônia Wakamatsu”.

Como eu também não tinha informações sobre Matsugoro, jamais imaginei que receberia como resposta um e-mail tão motivador da ARC. E os e-mails que trocamos foram grandemente impactantes, visto que elucidaram, aos poucos, os acontecimentos históricos em torno do assunto. Pois tive a comprovação de que, 150 anos atrás, Matsugoro Ohto existiu de fato e ao constatar que isto se liga a mim, no presente, foi uma emoção tão grande que jamais esquecerei.

Conforme as pesquisas, Matsugoro Ohto chegou nos Estados Unidos em 1869 como carpinteiro integrando um grupo de imigrantes da colônia Wakamatsu. A colônia, porém, chegou ao fim depois de 2 anos devido a problemas econômicos e condições climáticas inadequadas, e Matsugoro acabou retornando ao Japão. Então comecei a pesquisar sobre a vida depois da volta ao seu país: logo Matsugoro começou a trabalhar na estação de pesquisas Naito Shinkuku Shikenjo (onde atualmente é o Jardim Nacional Shinjuku Gyoen) no processamento de tomate enlatado. Imediatamente eu me dirigi ao Jardim Nacional Shinjuku Gyoen, onde há uma exposição contando a sua história. Infelizmente, grande parte dos dados foram queimados no ataque aéreo sofrido durante a Guerra do Pacífico, portanto, não consegui muitas informações, mas descobri o registro de trabalho de Matsugoro. Também encontrei 3 volumes contendo dados sobre Matsugoro: ainda nos Estados Unidos ele aprendeu sobre o cultivo de árvores frutíferas e fabricação de bebidas por fermentação; de volta ao Japão, trabalhou no processamento de tomate enlatado em Tóquio; depois, atuou como técnico chefe na vinícola da província de Yamanashi. Desse modo, ficou claro que Matsugoro Ohto foi um técnico pioneiro e assim terminei a tarefa das férias de verão no 9º ano do ensino fundamental.

Em 2019 comemora-se o 150º aniversário da Colônia de Imigrantes Wakamatsu e, em junho do mesmo ano, foi realizado o “Wakamatsu Fest 150”, evento organizado pela ARC. Eu tive a honra de ser convidada e compareci com a minha mãe. E graças a esse convite para participar do evento comemorativo eu recomecei a minha pesquisa sobre Matsugoro Ohto. Consegui ter em mãos o registro familiar desde minha avó por 4 gerações até chegar a Matsugoro e construí a árvore genealógica. Consegui descobrir a data de nascimento, o endereço permanente e os nomes da esposa e da filha que aparecem na fotografia.

Até então eram simplesmente fatos históricos, mas quando me deparei com o registro familiar senti que Matsugoro e eu estamos realmente ligados e que eu sou descendente dele.

E no final do ano passado, um funcionário da sede do governo de Yamanashi que faz pesquisa sobre a fabricação de vinho na Era Meiji entrou em contato comigo. Dois anos antes ele havia assistido a um documentário sobre a Colônia Wakamatsu e ficou sabendo de mim. E a quantidade de informações que essa pessoa me forneceu excedeu a tudo que eu havia coletado até então.

Depois da dissolução da Colônia Wakamatsu, Matsugoro foi para Santa Rosa, na Califórnia, onde ficou trabalhando na vinícola Kanaye Nagasawa Fountaingrove Winery durante 5 anos. Segundo o registro familiar, foi nessa época que nasceu a minha trisavó Saku Ohto. Depois, retornou ao Japão, trabalhou na estação de pesquisas Naito Shinjuku e em seguida foi enviado para Yamanashi a pedido do governo local, onde ficou por 10 anos. Ele introduziu no Japão os conhecimentos sobre a fabricação de vinho que obteve nos Estados Unidos e, mais do que depressa, ensinou a técnica da fabricação do “vinho doce”. Este fato se liga diretamente ao produto Akadama Port Wine da Suntory. Antes mesmo de ser convidada para o evento comemorativo, eu havia vislumbrado a imagem de Matsugoro como “o pioneiro do vinho japonês”.

E, finalmente em junho de 2019, eu estava pisando o mesmo chão que Matsugoro havia pisado 150 anos antes. O desejo da estudante do ensino fundamental II de visitar a Colônia Wakamatsu estava se concretizando 6 anos depois, seguindo as pegadas de Matsugoro – uma experiência que guardarei no coração o resto de minha vida. O fato dessa colônia de imigrantes Wakamatsu ter seus vestígios preservados até os dias de hoje é algo muito precioso. A História tende a destacar os fatos mais significativos do ponto de vista das autoridades, portanto, os vestígios desse pequeno grupo de imigrantes japoneses que compunham a Colônia Wakamatsu, a época em que essas pessoas viveram em meio às lutas, tudo isto teria caído no esquecimento. Mesmo assim, existem pessoas que se dedicam incansavelmente à preservação dos vestígios deixados por pessoas anônimas. Acho que esta maneira de transmitir a História é muito valiosa. Não somente as pessoas da ARC, mas também a população local que participou do “Wakamatsu Fest 150”, e todos que me ajudaram na pesquisa de minhas raízes. Através da investigação sobre Matsugoro Ohto, conheci um grande número de pessoas e estou muito agradecida por isso. Também sou grata a Matsugoro, porque ele me ensinou a importância de não desistir, de continuar tentando com a mente inquisitiva e focando no alvo, mesmo que a caminhada seja difícil.

Eu tenho muito orgulho de ser descendente de Matsugoro Ohto. 

Nota da tradução:

1. Guerra civil travada no Japão entre forças leais ao governo do Xogunato e aqueles que eram favoráveis à restauração do poder imperial.

 

* * * * *

O nosso Comitê Editorial selecionou este artigo como uma das suas histórias favoritas da série Heróis Nikkeis: Pioneiros, Modelos e Inspirações. Segue comentário.

Comentário de Masako Miki:

Exatamente 150 anos atrás, Matsugoro Ohto partiu do Japão rumo à Califórnia, onde foi um dos fundadores da Colônia Wakamatsu e os vestígios de sua trajetória é que Naori Shiraishi, uma de suas descendentes, relata neste ensaio. A vida de Matsugoro foi certamente plena de emoções, assim como o processo de pesquisa feita pela autora, o que fez com que eu sentisse pena que a leitura chegasse ao fim, ao mesmo tempo em que fui me envolvendo de tal forma que li com avidez a história.

À medida que as pesquisas iam avançando, um fato levava a outro, tanto que fica evidente a alegria da autora ao descobrir algo novo e a emoção de ver o passado e o presente ligados de modo tão interessante. O encontro com as pessoas que ajudaram durante as pesquisas, a sensação festiva de perceber que o conhecimento, o ser humano, a sociedade, a História nunca estão separadas e existem porque há muitas pessoas envolvidas e a própria autora encontra-se dentro desse contexto. Trata-se de um ensaio que manifesta o que há de melhor no Discover Nikkei. Eu senti verdadeiramente que, contada desta maneira, a História é vivida novamente.

 

© 2019 Naori Shiraishi

19 Estrelas

Os Favoritos da Comunidade Nima-kai

Each article submitted to this series was eligible for selection as favorites of our readers and the Editorial Committees. Thank you to everyone who voted!

American River Conservancy carpenter engineer family heroes Matsugoro Ohto migration Nikkei Chronicles Nikkei Heroes Pioneer Wakamatsu Colony wine

Sobre esta série

A palavra “herói” pode ter significados diferentes para pessoas diferentes. Nesta série, exploramos a ideia de um herói nikkei e o que isso quer dizer para cada pessoa. Quem é o seu herói? Qual é a história dele? Como ele(a) influenciou sua identidade nikkei ou a conexão com sua herança cultural nikkei?

Aceitamos o envio de histórias de maio a setembro de 2019; a votação foi encerrada em 12 de novembro de 2019. Todas as 32 histórias (16 em inglês, 2 em japonês, 11 em espanhol, e 3 em português) foram recebidas da Austrália, Brasil, Canadá, Estados Unidos, Japão, México e Peru. Dezoito dessas submissões foram de colaboradores inéditos do Descubra Nikkei!

Aqui estão as histórias favoritas selecionadas pelo Comitê Editorial e pela comunidade Nima-kai do Descubra Nikkei.


Seleções dos Comitês Editoriais:

Escolha do Nima-kai:

Para maiores informações sobre este projeto literário >>

Confira estas outras séries de Crônicas Nikkeis >>