Crônicas Nikkeis #3 — Nomes Nikkeis: Taro, John, Juan, João?

O que um nome quer dizer? Esta série apresenta histórias que exploram os significados, origens e as histórias ainda não contadas por trás dos nomes pessoais nikkeis. Estes podem incluir primeiros nomes, sobrenomes e até mesmo apelidos!

Para este projeto, pedimos à nossa comunidade Nima-kai para votar nas suas histórias favoritas e ao nosso Comitê Editorial para escolher as suas favoritas. Aqui estão as histórias favoritas:


  Seleções dos Comitês Editoriais:

  Escolha do Nima-kai

Para maiores informações sobre este projeto literário >>


Confira estas outras séries de Crônicas Nikkeis:

#1: ITADAKIMASU! Um Gostinho da Cultura Nikkei 
#2: Nikkei+ ~Histórias sobre Idiomas, Tradições, Gerações & Raças Miscigenadas~
#4: Família Nikkei: Memórias, Tradições e Valores 
#5: Nikkei-go: O Idioma da Família, Comunidade e Cultura  
#6: Itadakimasu 2! Um Novo Gostinho da Cultura Nikkei
#7: Raízes Nikkeis: Mergulhando no Nosso Patrimônio Cultural

identity en ja es pt

O significado do ‘J.’

Quando criança, achava meu nome muito comprido. Por isso, abreviava o nome do meio, escrevendo “Henrique J. Minatogawa”.

Até hoje, mantenho esse costume. Meus amigos costumam perguntar: o que é o “J.?” – parece um episódio de Os Simpsons, em que Homer tenta descobrir qual é o seu nome do meio.

Quando respondo que significa “José”, alguns não acreditam. Já tive que mostrar o documento de identidade para provar. “Pensei que fosse Jun” é o que a maioria diz.

Não tenho nome próprio japonês. Entre meus amigos nipo-descendentes, todos têm nomes ocidentais, e a maioria deles tamb ...

continue a ler

identity en ja es pt

Crescendo com um nome japonês nos Estados Unidos

O meu nome é Sakura Kato, e apenas Sakura Kato. Eu não tenho nenhum nome do meio ou nome inglês ou qualquer outra coisa indicando a minha identidade como nipo-americana. Na minha infância, eu nunca me deparei com o meu nome numa caneca ou chaveiro pré-fabricado – ao contrário das minhas amigas que se chamavam “Ashley” ou “Christine” – e referências ao meu nome só podiam ser encontradas em animes como Naruto ou CardCaptor Sakura. Na hora da chamada, o meu coração sempre batia rápido e o meu rosto ficava vermelho com medo de que ...

continue a ler

identity en

It Depends on Where You Are

I am the firstborn in my family. I was told that my first name Eugene was chosen because the kanji or Chinese characters for Hirohito could also be pronounced Eugene. In Japanese, it would be pronounced Hirohito and in Chinese, it would be pronounced Eugene. However, the pronunciations are not exact due to phonetic variations in Chinese, Japanese, and English.

The name Hirohito is only used by the Emperor of Japan. It is forbidden under penalty of death for a commoner to use the name Hirohito; however, since my father was outside of Japan, he decided to use it.

It ...

continue a ler

identity en

What’s in My Name? A Big River and Lots of Family Stories

Lorene is my first name. My mother chose my name for me. She liked the sound of the name, but not its typical spelling “Laureen” so she says she changed it. It wasn’t a familiar name especially in classrooms where most girls had names like Cathy, Susan, and Cindy. Most people thought it was a boy’s name and would pronounce it like Lorne or if they knew it was a girl’s name they would say Lauren. My last name Oikawa was even less familiar, and most people would not even attempt to say it. They would look ...

continue a ler

identity en

What’s In a Name? For Me, Someone Liked Ike

All parents ruminate on what to name their child.

They go through baby-naming books. Suggestions from family and friends. Fads of the day. Boy, girl, the process is nearly ceaseless. Sleepless nights. And even after the baby is born, there are still days, perhaps weeks that go by with nary a name but the sex of the child.

I have the extra benefit of being Japanese American. Traditionally, many third and fourth generation JAs had a Japanese middle name. It was optional. A number of my cousins did not.

My mom wanted a girl. She professed to me as an ...

continue a ler