Um bairro japonês no Brasil

O bairro japonês de São Paulo — sempre que eu me vejo imerso nele, cercado de caos por todos os lados, invariavelmente eu sinto a minha mente como que vazia por um instante e me pergunto: “por que teriam esses japoneses atravessado os mares e construído, do outro lado do mundo, um bairro só deles?”.

Nesta coluna, eu gostaria de dividir com os leitores a história e a imagem contemporânea dos bairros japoneses que eu visitei, procurando não me afastar da pergunta que abre este artigo.

community en ja pt

Capítulo 6 Formação e Desenvolvimento do Bairro Oriental (1) – O Nascimento do Cine Niterói da Bunkyô

Ao descer da estação Liberdade da linha norte-sul do metrô de São Paulo, saímos numa esquina cheia de lojas e mercados que vendem produtos e comidas japonesas, chinesas e coreanas. É a Praça da Liberdade, centro do Bairro Oriental. (foto 6-1) Indo rumo sul daí, há a Rua Galvão Bueno e à noite a rua é iluminada pelo néon das lojas e as lanternas vermelhas de Suzuran. O Bairro Oriental, que já foi considerado o maior bairro japonês fora do Japão, fica localizado na Liberdade, quase no centro da cidade de São Paulo, e ...

continue a ler

community en ja pt

Capítulo 5 Pinheiros – O Declínio de Um Bairro Japonês

Na cidade de São Paulo e suas redondezas havia algumas áreas chamadas de “bairros japoneses”. Sendo que a área chamada “Conde Kaiwai” era o maior bairro japonês do pré-guerra a durante a guerra seguida pelo bairro de Pinheiros, onde residiam cerca de 200 nikkeis. (Handa, 1970, p.573) e depois pelos arredores do Mercado Municipal, “Cantareira-gai”, cujo o nome vinha do nome da rua. (Ver mapa 5-1)

O bairro de Pinheiros, localizado a aproximadamente 7 km do centro da cidade de São Paulo era desde antigamente composto de hospedarias ao longo da rota que se direcionava ...

continue a ler

community en ja pt

Capítulo 4 Colônia Iguazu: Lar da Cultura Japonesa e dos Artesãos

De janeiro a fevereiro de 2007, o autor viajou pelo norte do Paraná e pelo Paraguai. O objetivo principal desta série é relatar a história e a atualidade dos bairros japoneses no Brasil, mas, desta vez, excepcionalmente, o autor irá incluir as impressões que teve ao visitar Yguazú, terra onde estão muitos imigrantes nikkeis paraguaios.

A Foz do Iguaçu, famosa pelas cataratas do Iguaçu está ligada ao Paraguai por uma ponte que atravessa o rio Paraná. Ao atravessar esta “Ponte da Amizade”, se chega na segunda maior cidade do Paraguai, Ciudad Del Este. Sendo um ...

continue a ler

community en ja pt

Capítulo 3 Rua Conde e arredores — os rumores da guerra. Desassossego em tempos de paz. A restauração da ordem - parte III

Mesmo depois que a principal instituição de ensino da comunidade japonesa, o Grupo Escolar Taishō, se mudou para a rua São Joaquim, o bairro japonês continuou a crescer nos arredores da rua Conde. Os anos trinta e quarenta haviam sido, aliás, os mais prósperos da sua existência.

“Foi quando a comunidade formada pelos imigrantes começou a se erguer da situação de pobreza em que se encontrava, entre os anos de 1914 e 1915, que os moradores da rua Conde ‘subiram a ladeira’ e começaram a se instalar nas ruas Conde do ...

continue a ler

community en ja pt

Capítulo 2 Rua Conde e arredores: o nascimento da Escola Primária Taishō - parte II

Antes da Segunda Guerra Mundial, eram numerosas as instituições de ensino controladas pelos imigrantes, a maioria financiada pelas associações de japoneses ou pelas associações de pais e mestres. Era natural que pelo menos uma escola fosse construída em cada agrupamento de japoneses. Neste artigo, gostaria de falar um pouco sobre a fundação do Grupo Escolar Taishō e sobre como viviam os imigrantes na rua Conde de Sarzedas (ilustrações 2, 3 e 4) à época.

O Grupo Escolar Taishō foi a primeira instituição de ensino japonesa no Brasil, estabelecida na rua Conde de Sarzedas. Muitas ...

continue a ler