Tamiko Nimura

Tamiko Nimura é uma escritora sansei/pinay [filipina-americana]. Originalmente do norte da Califórnia, ela atualmente reside na costa noroeste dos Estados Unidos. Seus artigos já foram ou serão publicados no San Francisco ChronicleKartika ReviewThe Seattle Star, Seattlest.com, International Examiner  (Seattle) e no Rafu Shimpo. Além disso, ela escreve para o seu blog Kikugirl.net, e está trabalhando em um projeto literário sobre um manuscrito não publicado de seu pai, o qual descreve seu encarceramento no campo de internamento de Tule Lake [na Califórnia] durante a Segunda Guerra Mundial.

Atualizado em junho de 2012

community en ja es pt

A Festa Que Faz uma Família

O cascalho estala sob as rodas do nosso carro ao entrarmos na garagem da casa da minha tia Nesan. Depois de pararmos o carro, o meu marido Josh e eu removemos o cinto das nossas duas garotinhas no banco de trás. Nós caminhamos até a casa, com cobertores e bichinhos de pelúcia, e eu bato na porta de tela.

“Feliz Ano Novo! Pode entrar!” responde alegremente a minha tia com seus mais de oitenta anos. Depois de abraços e comentários animados (“as meninas estão ficando tão grandes!”), nós perguntamos se poderíamos ...

continue a ler

identity en ja es pt

Crônicas Nikkeis #2 — Nikkei+ ~Histórias sobre Idiomas, Tradições, Gerações & Raças Miscigenadas~

Retratos de um Álbum de uma Nikkei/Filipina

“A sua mãe é filipina?” a mãe de uma amiga me perguntou. Ela também é filipina. Ela sacode a cabeça e sorri, mas não de modo antipático. “Você parece mais japonesa”.

* * * * *

Tanto o meu primeiro nome quanto o meu sobrenome são japoneses. Nenhum dos meus nomes são de uma filipina. Mas aí tem a cor da minha pele, que na costa noroeste do Pacífico [nos E.U.A.] é chamada de “um bom bronzeado”. Eu sei preparar turón, lumpia e adobo. Eu sei fazer uma galinha teriyaki “completa”, usando uma receita de fam ...

continue a ler

food en ja es pt

Crônicas Nikkeis #1 — ITADAKIMASU! Um Gostinho da Cultura Nikkei

Minha Canção “Sukiyaki Log Cabin”*

1.

O comentário no meu blog começa da seguinte forma: “Finalmente achei você e sua irmã”. A comentadora se descreve como uma amiga de infância/juventude do meu pai. Que eu saiba, nós nunca nos encontramos. Mas ela sabe o meu nome e o da minha irmã, dois nomes não muito comuns mesmo no meio nipo-americano. Ela sabe que eu cresci em Roseville, na Califórnia. Ela diz que tem lembranças do meu pai que gostaria de compartilhar comigo.

No começo, eu fico um pouco assustada. Eu consulto todos os nomes da minha ...

continue a ler

war en

Kiku Hughes’ graphic novel Displacement addresses the intergenerational trauma of Japanese American incarceration through a story of time travel

A time-travel graphic novel about intergenerational Japanese American camp history is a surprise. But even for readers versed in this history, Kiku Hughes’s Displacement is a powerful innovation in camp literature and Japanese American literature overall. Displacement brings together several current conversations in camp history: intergenerational trauma, the relevance of camp history for present-day history, tracing genealogy, the tradition of resistance to incarceration, and Japanese American queer history.

As a loosely autobiographical book, the main character “Kiku” is visiting San Francisco’s Japantown on a trip from Seattle when she’s pulled back into a scene from her grandmother ...

continue a ler

community en

Falling Into Public History: My Writing about Japanese American and African American Community Stories

The following essay is adapted from a talk that I gave to the City of Tacoma Historic Preservation, Tacoma Historical Society, and Historic Tacoma in November 2020. An edited video version is available here on YouTube.

I’ve been asked to talk about my work documenting Tacoma’s Japanese American and African American history. It’s been a great privilege—and a little surprising—for me to be doing this work, which is why I called the talk “Falling Into Public History.”

* * * * *

Image 1: My roots

When I talk about my writing I have to start with my roots, and ...

continue a ler