Henrique Minatogawa

Henrique Minatogawa é jornalista e fotógrafo, brasileiro, nipo-descendente de terceira geração. Sua família veio das províncias de Okinawa, Nagasaki e Nara. Em 2007, foi bolsista Kenpi Kenshu pela província de Nara. No Brasil, trabalha na cobertura de diversos eventos relacionados à cultura oriental. (Foto: Henrique Minatogawa)

Atualizado em julho de 2020

business en pt

Barbearia japonesa em São Paulo

Os nikkeis, quando vão cortar cabelo no Brasil, costumam ouvir que “cortar cabelo de oriental é difícil”. A explicação é que os fios são muito lisos, ora finos demais, ora grossos demais. Assim, seria difícil fazer penteados diferentes, além de evidenciar erros no corte com mais facilidade.

Para atender esse público, atualmente, existem diversos salões de cabeleireiros especializados em orientais. Oferecem ainda serviços de coloração, manicure e outros serviços estéticos, com o público-alvo majoritariamente formado por mulheres.

É um serviço que envolve alguma periodicidade, ou seja, as pessoas dificilmente ...

continue a ler

community en pt

Festival do Japão

O Festival do Japão é um dos principais eventos da comunidade nikkei no Brasil, especialmente no que se refere a espaço físico, quantidade de atrações e número de visitantes. Em 2015, chegou à sua décima oitava edição.

O evento é organizado pelo Kenren, a federação das associações de províncias do Japão no Brasil. Neste ano, o Festival do Japão aconteceu nos dias 24, 25 e 26 de julho.

A organização estimou a quantidade de visitantes em cerca de 180 mil pessoas. A entrada é paga, mas todas as atividades internas s ...

continue a ler

community en pt

Embaixadora Kawaii do Brasil

Akemi Matsuda, descendente de japoneses de segunda geração, viveu no Japão dos três aos 19 anos de idade. Lá, ela fez o ensino fundamental e, mais tarde, optou pelo que, no Brasil, é chamado de ensino técnico para estudar balé clássico.

“Fui a uma escola como o Bolshoi, da Rússia”, conta. “De manhã, estudava-se as matérias escolares normalmente. Depois do almoço, é só a prática do balé clássico. Estudávamos a história do balé, música, como montar cenário… Era uma escola direcionada para a formação de bailarinos”.

No ...

continue a ler

culture en pt

Uma artista de quadrinhos no Brasil

Encontrei a desenhista Cristina Eiko Yamamoto, 37 anos, no lançamento da graphic novel Penadinho – Vida, que ela assina ao lado do marido, Paulo Crumbim.

Antes de chegar a minha vez de ter o livro assinado pelos autores, pude observar Cristina recebendo os visitantes à frente. Ela se levantava, recebia o livro com as duas mãos e devolvia autografado na mesma forma. Muitos fãs agradeceram ao modo oriental de fazer reverência.

“Eu não sei ser diferente. Por muito tempo (na verdade, até hoje) titubeio na hora de falar com uma pessoa mais velha, de chamar de “voc ...

continue a ler

culture en pt

Um jovem multi-artista tradicional

No Brasil, não é raro encontrar um nikkei que pratique uma das artes tradicionais japonesas. caligrafia (shodo), cerimônia do chá (chanoyu ou sado) ou instrumentos musicais como koto ou shamisen são alguns exemplos.

Difícil é encontrar alguém que pratique todos regularmente. Ainda mais se falar japonês e tiver sido ordenado monge budista. Contra essas probabilidades, conhecemos Marcel Ueno, 33 anos, descendente de terceira geração, cuja família tem origem nas províncias de Fukuoka e Tokushima.

Quando criança, Marcel costumava assistir aos não muito numerosos desenhos e seriados japoneses exibidos no Brasil. Mesmo ...

continue a ler