Henrique Minatogawa

Henrique Minatogawa é jornalista e fotógrafo, brasileiro, nipo-descendente de terceira geração. Sua família veio das províncias de Okinawa, Nagasaki e Nara. Em 2007, foi bolsista Kenpi Kenshu pela província de Nara. No Brasil, trabalha há quatro anos na cobertura de diversos eventos relacionados à cultura oriental. (Foto: Henrique Minatogawa / Nikko Fotografia)

Atualizado em julho de 2014

community en pt

Pequenas mudanças nas celebrações familiares

Nós sabemos que muitos japoneses vieram para o Brasil há mais de 100 anos. Trouxeram toda sua cultura, que seus descendentes preservam e, ao mesmo tempo, evoluem com o tempo. Um dos costumes integrantes dessa cultura são as celebrações. Conversei com dois profissionais que atuam no segmento de produção e fotografia de festas e outros eventos.

“Sempre tive, desde a infância, uma queda muito grande por som e música. Incentivado pela minha mãe, participava de eventos culturais do kaikan [associação local] de Piedade, minha cidade natal. Quando comecei o colégio t ...

continue a ler

culture en pt

O desafio do shogi no Brasil

Peão, torre, cavalo, bispo, rei: no Brasil, esses nomes logo remetem ao jogo de xadrez. Não que o xadrez seja extremamente popular no país, apenas que muitas pessoas têm alguma noção. A expressão “xeque-mate” é usada em diversas situações do cotidiano. Eu mesmo aprendi a jogar xadrez na escola; na faculdade, havia um clube de xadrez, mas eu não fazia parte.

Na minha família, ninguém jogava shogi. Não que eu saiba, pelo menos. Não lembro de ter visto tabuleiro e peças na casa de nenhum parente. De vez ...

continue a ler

identity en pt

Nikkeis gays falam sobre preconceito e aceitação - Parte 2

Ler Parte 1 >>

Referências

As etnias orientais têm pouca visibilidade em meios de comunicação no Brasil. Ainda que a proporção quantitativa seja pequena, em termos culturais e econômicos, a participação dos grupos orientais é expressiva. Mesmo assim, a visibilidade enquanto parte da sociedade brasileira é ínfima. Em relação aos homossexuais, há a busca por essa referência relacionada ao gênero, além da étnica.

“Lembro que em uma novela tinha um casal gay e que era tudo muito velado. Acho que era Sandrinho, mas não lembro muito como ele era [Nota: trata-se do ...

continue a ler

identity en pt

Nikkeis gays falam sobre preconceito e aceitação - Parte 1

No Brasil, vivem aproximadamente 190 milhões de pessoas de acordo com o censo de 2010 realizado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Destes, aproximadamente 1,5 milhão são japoneses ou descendentes de japoneses, ou seja, menos de 1% da população do país, conforme dados do Ministério de Relações Exteriores do Japão e do Centro de Estudos Nipo-Brasileiros. Em termos quantitativos, portanto, o Nikkei faz parte de uma minoria.

Segundo estimativa da Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais (Abglt), aproximadamente 20 milhões de brasileiros ...

continue a ler

business en pt

Chef pâtissier nikkei divulga yogashi no Brasil

Os nikkeis são rapidamente identificados pelas características físicas orientais. A partir disso, muitas pessoas no Brasil pensam que todo nikkei está envolvido exclusivamente em cultura japonesa. Isto é, se pratica esportes, é karate; se gosta de música, é de enka; se desenha, é mangá. Apesar de essas suposições não serem 100% equivocadas, nem sempre é assim.

Vivianne Hitomi Wakuda, 29, sansei, é chef pâtissier. “Na minha primeira entrevista de emprego, achavam que eu trabalhava com doce de feijão. Então eu logo expliquei que trabalhava com confeitaria no estilo da casa, que era francesa. Eu gosto muito da ...

continue a ler