Henrique Minatogawa

Henrique Minatogawa é jornalista e fotógrafo, brasileiro, nipo-descendente de terceira geração. Sua família veio das províncias de Okinawa, Nagasaki e Nara. Em 2007, foi bolsista Kenpi Kenshu pela província de Nara. No Brasil, trabalha há quatro anos na cobertura de diversos eventos relacionados à cultura oriental. (Foto: Henrique Minatogawa / Nikko Fotografia)

Atualizado em julho de 2014

identity en pt

Nikkeis gays falam sobre preconceito e aceitação - Parte 1

No Brasil, vivem aproximadamente 190 milhões de pessoas de acordo com o censo de 2010 realizado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Destes, aproximadamente 1,5 milhão são japoneses ou descendentes de japoneses, ou seja, menos de 1% da população do país, conforme dados do Ministério de Relações Exteriores do Japão e do Centro de Estudos Nipo-Brasileiros. Em termos quantitativos, portanto, o Nikkei faz parte de uma minoria.

Segundo estimativa da Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais (Abglt), aproximadamente 20 milhões de brasileiros ...

continue a ler

business en pt

Chef pâtissier nikkei divulga yogashi no Brasil

Os nikkeis são rapidamente identificados pelas características físicas orientais. A partir disso, muitas pessoas no Brasil pensam que todo nikkei está envolvido exclusivamente em cultura japonesa. Isto é, se pratica esportes, é karate; se gosta de música, é de enka; se desenha, é mangá. Apesar de essas suposições não serem 100% equivocadas, nem sempre é assim.

Vivianne Hitomi Wakuda, 29, sansei, é chef pâtissier. “Na minha primeira entrevista de emprego, achavam que eu trabalhava com doce de feijão. Então eu logo expliquei que trabalhava com confeitaria no estilo da casa, que era francesa. Eu gosto muito da ...

continue a ler

community en pt

A falta que faz uma mercearia japonesa

Há alguns anos, trabalhava em uma editora localizada no bairro de Vila Mariana, em São Paulo. Perto, havia uma mercearia oriental, onde eu costumava comprar um bento na hora do almoço.

Não era todo dia que eu comprava bento; creio que duas ou três vezes por semana no máximo. Comprava também um pão de fôrma estilo oriental que não se encontra em mercados e padarias comuns. De vez em quando, sentia vontade de comer manju. Às vezes era shoyu, kare, chikuwa para fazer o jantar… Ou seja, aquelas “emergências” do ...

continue a ler

identity en pt

O que ‘Made in Japan’ significa para mim

Quando eu era criança, um dos produtos mais desejados era o walkman. Um azul, feito no Japão. Na época (anos 80), os produtos japoneses já tinham boa fama no Brasil. Assim, um relógio, câmera fotográfica, televisão ou rádio fabricado no Japão era garantia de qualidade.

Menos os lápis. Eu gostava muito de desenhar e escrever. Quando algum parente ia ao Japão, eu frequentemente ganhava lápis. Eram muito bonitos, com estampas detalhadas e diferentes, com personagens que eu não conhecia. Só que quebravam facilmente e, em poucos instantes, aquelas ...

continue a ler

identity en pt

Japão X Brasil?

Em agosto, acontecerão os Jogos Olímpicos de Verão no Rio de Janeiro. Os atletas estão se preparando para competir, enquanto eu estou me preparando para novamente responder à pergunta: “você vai torcer para o Brasil ou para o Japão?”.

Não é algo me chateie, pois é natural, em um país que recebeu muitos imigrantes, que seus descendentes também torçam para o país de seus ancestrais em competições esportivas. Quando tem Copa do Mundo, é a mesma coisa. As comunidades se reúnem para assistir aos jogos tanto do Brasil como da sua terra ...

continue a ler