Tatiana Maebuchi

Nascida na cidade de São Paulo, é brasileira descendente de japoneses de terceira geração por parte de mãe e de quarta geração por parte de pai. É jornalista formada pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e blogueira de viagens. Trabalhou em redação de revistas, sites e assessoria de imprensa. Fez parte da equipe de Comunicação da Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social (Bunkyo), contribuindo para a divulgação da cultura japonesa.

Atualizado em julho de 2015

business pt

Doce hobby: do sonho para a realidade

Fachada meiga, decoração geek. Pela porta, passa a pessoa que estava sendo aguardada. Num primeiro olhar, a expressão séria faz jus às responsabilidades de microempresária. Porém, em uma conversa mais informal, descobre-se outro lado: uma alegria de menina que ama o que faz. Caçula de três irmãos, Melissa Takami, de 34 anos, é fundadora e administradora da Moti Confeitaria.

A camiseta temática de anime indica o interesse pela cultura japonesa – que vem, principalmente, de suas amizades. “Sempre andei mais com orientais, não só com japonês, mas com chinês e ...

continue a ler

identity pt

Estereótipo, o erro de pensar que todos os nikkeis são iguais

Quando o assunto é sociedade, automaticamente se fala em história. As relações humanas são analisadas e discutidas por estudiosos desde a Antiguidade até os tempos atuais. O sociólogo britânico Stuart Hall, por exemplo, lembra que “as nações são sempre compostas de diferentes classes sociais e diferentes grupos étnicos e de gênero”.

O Brasil não seria diferente. Inclusive, o país é marcado pelo multiculturalismo, resultado da antiga sociedade escravocrata e de políticas de imigração, principalmente em relação à vinda de japoneses. Como fruto do trabalho árduo, os nipônicos conseguiram prosperar ...

continue a ler

culture pt

Técnica e arte japonesas dão formas e beleza à argila em Cunha

Conhecimentos adquiridos no Japão quando usados em argila têm o poder de criar, transformar. O nissei Marcelo Yoshinori Tokai, 46 anos, dedica-se justamente a isso, à arte da cerâmica. Descendente de Hokkaido e nascido em Mogi das Cruzes, São Paulo, o artista foi para a terra natal de seus pais aprofundar-se nas tradicionais técnicas e, mais tarde, seguiu para a cidade de Cunha (SP).

Aprendizado no Japão

“Eu e minha esposa Luciane Yukie Sakurada estudamos cerâmica no Japão, em Tochigi ken (‘província’), Mashiko machi (‘cidade’)”, localizada ao norte de Tokyo. A inspira ...

continue a ler

identity pt

Raízes e lembranças no Vale do Ribeira

Foi na cidade de Registro, na região do Vale do Ribeira, em São Paulo, onde minha família por parte de pai se estabeleceu. Assim como muitos imigrantes japoneses. 

Natural de lá e fã de arroz com feijão, meu tio-avô, Issuo Maebuti, de 94 anos, narra a história da família com seu jeito alegre e bem-humorado.

Trajetória de Katsuji e Toki, precursores no Brasil 

Meu bisavô, Katsuji, veio do Japão com minha bisavó, Toki. Desembarcaram em Santos e foram para Jaboticabal, perto de Ribeirão Preto, São Paulo. Tio João, como ...

continue a ler

food pt

Doce e refrescante inspiração

Uma viagem mudou a vida de uma nikkei. A sansei Emília Tayra, ex-bancária de 60 anos, descobriu novos sabores em um doce com toque nipônico. Certa de que agradaria também o paladar dos paulistanos, principalmente os descendentes de japoneses, decidiu trazer a ideia diretamente dos Estados Unidos.


Como surgiu a ideia do mochi de sorvete

“Em uma viagem a Nova York em 2013 experimentei alguns mochis de sorvete e fiquei encantada com a beleza das esferas coloridas recheadas com sorvete”, conta Emília. “Ainda nessa viagem, tomei muito sorvete Häagen-Dazs que era barato comparado aos ...

continue a ler