Masayuki Fukasawa

Nasceu na cidade de Numazu, província de Shizuoka, no dia 22 de novembro de 1965. Veio pela primeira vez ao Brasil em 1992 e estagiou no Jornal Paulista. Em 1995, voltou uma vez ao Japão e trabalhou junto com brasileiros numa fábrica em Oizumi, província de Gunma. Essa experiência resultou no livro “Parallel World”, detentor do Prêmio de melhor livro não ficção no Concurso Literário da Editora Ushio, em 1999. No mesmo ano, regressou ao Brasil. A partir de 2001 trabalha no Nikkey Shimbun, onde é editor-chefe desde 2004.

Atualizado em janeiro de 2009

war en ja es pt

110 anos da Imigração Japonesa no Brasil: com a devolução da Escola Japonesa de Santos “a guerra acabou de verdade” e chega-se à coexistência pacífica superando a discriminação contra os estrangeiros - Parte 4

Ler Parte 3 >>

A partir de 2000 começa a engrenar o mecanismo para revisar a História

Já faz alguns anos que o mundo começou a mudar.

O diretor de cinema radicado em Okinawa, Yoju Matsubayashi, levou mais de dez anos entrevistando pessoas que sofreram ordem de despejo no tempo da guerra e agora está preparando um filme documentário. Quando esteve visitando a Escola Japonesa de Santos em 2016, ele descobriu a lista das pessoas removidas à força durante a guerra e começou a garimpar material. Das pessoas entrevistadas na época várias delas vieram a ...

continue a ler

war en ja es pt

110 años de la Inmigración Japonesa a Brasil: Devolución de la Escuela Japonesa de Santos y el verdadero final de la IIº Guerra. Superando la discriminación para una convivencia en paz - Parte 3

Ler Parte 2 >>

Notícias falsas sobre a vitória japonesa

Ouvindo Arata Kami contar sua história, constatei que a guerra com “bolas de papel” havia começado bem antes, quando ele contava 23 anos de idade, época em que morava na Colônia Monte Alegre. No dia 1º de agosto de 1945 ele começou a publicar ANDES, informativo do departamento cultural do grupo de jovens ao qual pertencia.

Quando fui entrevistá-lo em sua casa em setembro de 2016, ele mostrou os exemplares cuidadosamente guardados, manuscritos em B 5 e mimeografados.

Na edição nº 1 est ...

continue a ler

war en ja es pt

110 anos da Imigração Japonesa no Brasil: com a devolução da Escola Japonesa de Santos “a guerra acabou de verdade” e chega-se à coexistência pacífica superando a discriminação contra os estrangeiros - Parte 2

Ler Parte 1 >>

“O êxodo dos imigrantes japoneses na América do Sul”

Arata Kami nasceu em Nogata-shi, província de Fukuoka, no dia 15 de março de 1922. Em 1933, quando contava 11 anos de idade, imigrou juntamente com os pais para o Brasil. Primeiro foram morar na Colônia Hirano, município de Cafelândia; mudaram-se depois para a Colônia Monte Alegre, perto de Bastos; ao término da guerra foram para Lins e depois para Santos, em 1956.

A Colônia Hirano, fundada em 1915, é uma das mais antigas comunidades japonesas. Pelo desconhecimento da mal ...

continue a ler

war en ja es pt

110 anos da Imigração Japonesa no Brasil: com a devolução da Escola Japonesa de Santos “a guerra acabou de verdade” e chega-se à coexistência pacífica superando a discriminação contra os estrangeiros - Parte 1

“A Escola Japonesa de Santos foi confiscada pelo governo brasileiro durante a Segunda Guerra Mundial como sendo propriedade de país inimigo. Somente quando ela estiver de volta às mãos dos nikkeis é que vou considerar a guerra terminada”. Era o que sempre dizia Arata Kami, que durante mais de vinte anos lutou sozinho pela devolução da propriedade.

No dia 18 de junho, na comemoração dos 110 anos da imigração japonesa, realizou-se a cerimônia de assinatura de mudança de nome da Escola Japonesa de Santos, quando a União devolveu a propriedade à Associação Japonesa ...

continue a ler

food en ja es pt

Crônicas Nikkeis #6 — Itadakimasu 2! Um Novo Gostinho da Cultura Nikkei

A Feijoada voltou com tudo!

“Depois de três anos, fico satisfeito em saborear novamente” – foi assim que o sr. Makoto Oka, presidente do Okayama Kenjinkai¹ do Brasil, à época com 66 anos, falou diante do prato de feijoada, com a expressão desanuviada de quem deixou algo para trás. Era junho de 2005.

De fato, três anos antes, naquele mesmo salão do Okayama Kenjinkai, o sr. Oka sofrera queimaduras de grande extensão no corpo todo devido a uma enorme panela de feijoada que tinha virado e caído.

A feijoada é um prato típico da culinária brasileira feito com feij ...

continue a ler