Silvia Lumy Akioka

Silvia Lumy Akioka é sansei brasileira. Foi dekasegui aos 17 anos e em outra ocasião, bolsista na província de Fukuoka, quando publicou a série “O ano de uma brasileira no outro lado do mundo” - seu primeiro contato com este site. É admiradora da cultura japonesa e também gosta de escrever sobre outros temas em blogs. Esteve em Los Angeles como voluntária em 2012 e há 6 anos, é consultora oficial do Descubra Nikkei.

Atualizado em fevereiro de 2019

media pt

Sobre a websérie NipoBrasileiros

Quando soube que a websérie NipoBrasileiros seria lançada no YouTube em abril deste ano (2019), fiquei bastante curiosa. Qual abordagem teria sido feita? Por que uma produtora independente interessou-se pelo tema?

Imediatamente, pesquisei sobre a Pietà Filmes e Produções - até então desconhecida por mim. Trata-se de uma produtora de criação de conteúdo audiovisual para cinema, TV e novas mídias. Segundo eles, “buscam histórias com personagens normalmente invisibilizados”. Começou a ficar mais claro e para ir além, tive a oportunidade de contatá-los para descobrir melhor sobre a produção. A ...

continue a ler

community en pt

Na companhia da feliz melhor idade

Fui visitar uma tia muito querida que mora no litoral de São Paulo. Tenho orgulho dela, pois mesmo em seus oitenta e poucos anos, dirige seu automóvel, cozinha e mora sozinha desde o falecimento de seu esposo. Ah, e claro, gosta de fazer passeios, karaokê e tem muitos amigos.

Não convivo muito com idosos e minha mãe faleceu quando eu tinha 25 anos, então sinto falta de ouvir ensinamentos dos mais velhos. Fui visitá-la para matar a saudade da tia amorosa que tenho e aprender um pouquinho sobre o segredo de sua longevidade.

Assim ...

continue a ler

community pt

Crônicas Nikkeis #5 — Nikkei-go: O Idioma da Família, Comunidade e Cultura

Os ensinamentos da dona Terezinha

Minha mãe chamava-se Terezinha. Ela nos deixou dessa vida terrena aos 59 anos e considero que viveu muito pouco. Dizem que as pessoas boas vivem pouco porque precisaram de menos tempo para evoluir espiritualmente. Eu acredito nisso, minha mãe era uma ótima pessoa.

Tenho muitas lembranças com ela e como somos uma família nikkei, algumas dessas recordações remetem a palavras japonesas marcantes.

Nós somos três filhas. Isso mesmo, somente mulheres. Sendo nós três meninas, tivemos uma infância em que não faltaram companhias para brincar, aprendizados em conjunto, mas tamb ...

continue a ler

food en pt

Crônicas Nikkeis #1 — ITADAKIMASU! Um Gostinho da Cultura Nikkei

Meus costumes gastronômicos no Brasil

Na minha infância, achava que todas as famílias brasileiras tinham uma panela de arroz elétrica em casa. Não só isso, imaginava que era usual aos brasileiros, tomar misoshiru no frio e comer tamago-gohan quando não havia nenhuma guarnição. Você sabe o que é tamago-gohan? O tamago-gohan é uma mistura de ovo com arroz e seu modo de preparo é bem simples: basta bater um ovo cru com um pouco de molho de soja (shoyu) e jogar por cima do arroz japonês, de preferência quentinho, em uma tigela. Depois de misturar tudo, estará pronto o seu ...

continue a ler

community en pt

O ano de uma brasileira no outro lado do mundo

Capítulo 10: Memórias do meu intercâmbio em Fukuoka

Em casa, no Brasil, nós sempre usamos o português e na adolescência, freqüentei aulas de japonês porque meus pais queriam, mas sinceramente eu não dava tanta importância. Depois de interromper as aulas, também não usei mais a língua japonesa e esqueci muito do que aprendi. É claro que hoje, sou grata pelo esforço dos meus pais e por terem tido essa preocupação comigo. Tem coisas que só percebemos com o tempo e maturidade.

Sou nikkei de terceira geração e meus avós maternos nasceram e viveram parte de ...

continue a ler