Escolha o seu idioma de preferência para tirar o máximo proveito das páginas do nosso Jornal:
English 日本語 Español Português

Fizemos muitas melhoras nas seções do nosso Jornal. Por favor, envie-nos a sua opinião ao escrever para editor@DiscoverNikkei.org!

OHAYO Bom dia

Capítulo 15: Minha alegria é escrever

Para mim, escrever é um ato de pura alegria. Ao longo desses anos todos, viver tem sido algo gratificante porque para mim sempre existiu a escrita, motivo maior e incentivo para seguir em frente.

Criancinha ainda, eu vivia rabiscando na parte inferior do guarda-louça de casa. Do lado de dentro, que era para ninguém ficar espiando. Ainda conservo na memória a série de desenhos e garranchos que, para uma criança, certamente teria representado uma porção de histórias espetaculares.

1991 em São Paulo. Atrás à esquerda está meu pai.

E quem me ensinou as primeiras letras foi meu pai. Eu ainda não estava na escola, mas todo dia eu tinha como lição escrever o meu nome completo e algumas palavras fáceis.

Quando aprendi a formular frases, meu prazer era escrever cartas às amiguinhas e aos primos do interior. Eu não me importava se eles respondiam ou não, eu queria era escrever. Aliás, mesmo hoje eu escrevo cartas e envio mensagens por e-mail, sem a expectativa de que os destinatários me retornem uma resposta.

Foi no curso primário que comecei a escrever versos. Meu primeiro poema tinha por título “Para onde vou” e, confesso, não tinha muito sentido. Mas quando me tornei estudante colegial, meus temas foram ficando sérios e com isso fui selecionada num concurso nacional de poesia.

Lembro também que fazia um jornal todo manuscrito, sem a ajuda de ninguém. Chamava-se “A gavetinha”. Desde o editorial, passando pelas notícias, anúncios, histórias em quadrinhos, tudo era feito com dedicação e carinho. Muito tempo depois, eu já era professora, quando passei essa técnica do jornal manuscrito aos meus alunos e dentre eles houve um que se saiu tão bem que vendia os jornais que fazia aos amigos e vizinhos.

No colegial virei poeta e escritora por encomenda. Tinha que atender os muitos pedidos das colegas que encomendavam algo para mandar aos namoradinhos. Haja inspiração para escrever tantas coisas melosas para tantos garotos que eu nem conhecia!

Os quatro anos passados na faculdade foram de total obscuridade, limitando-me aos trabalhos de pesquisa, monografias e coisas afins.

Como bolsista no Japão, colaborei com frequência no jornal dos bolsistas brasileiros.

De volta ao Brasil, escrevi inúmeras matérias sobre a cultura japonesa que foram publicadas nos principais órgãos de imprensa nikkei.

Como professora de língua portuguesa e literatura brasileira, passei 30 anos escrevendo quase que diariamente. Eram textos para uso nas aulas, peças de teatro para apresentação dos alunos no Festival Cultural, além de matérias para o jornal da escola.

Em 1991, realizei meu sonho com a publicação de meu primeiro livro, “Sonhos bloqueados”, que teve ótima receptividade. Graças a ele estive visitando diversas cidades de São Paulo e outros estados, conhecendo um grande número de pessoas.

Seguiram-se mais três livros, que são como filhos que criei para o mundo. E, a cada lançamento, vinham pedidos e sugestões: “Por que não escreve em japonês também?”.

Sempre tive vontade de escrever em japonês, mas me faltavam coragem e confiança.

Mas tudo mudou depois de uma viagem que fiz ao Japão em 2005.

Lá, pude reencontrar uma pessoa que havia conhecido 33 anos antes e de quem não tinha notícias desde então!  Foi um milagre e a partir desse momento entendi que teria de escrever em japonês, pois essa era a única língua comum para nós dois.

Com a troca constante de e-mails com essa pessoa, comecei a me interessar pelo idioma japonês cada vez mais, e fui tomando coragem e ficando confiante. E assim começou minha grande aventura no complexo mundo das letras japonesas. Mas devo confessar uma coisa: se não fosse o processador de texto Word para o japonês, a minha escrita estaria avançando a passo de tartaruga!

Outro dia, ganhei de uma amiga um livro muito interessante em japonês. É um dicionário de onomatopeias. A língua japonesa é rica em onomatopéias! Fiquei tão motivada que fiz um poema e como as onomatopeias são muito interessantes, preferi conservá-las na língua original.

1993 em São Paulo

Mas se você quiser sentir o quão pitoresco é, tente ler em japonês também.

Meu primeiro encontro

Domingo... Como estará o tempo?
Se zaa zaa chover   Chato não?
Pois é o meu primeiro encontro
Mas pode ser romântico né?
Chove chuva    shito shito 
Brilham os olhos    kira kira
Coração bate forte    doki doki
Nós 2    meio que sem-graça 
Debaixo de 1 guarda-chuva

Domingo... Será de calor?
Kan kan    que sol abrasador
Arde a pele    hiri hiri
Kara kara
    seca a garganta
Que horror!
Mas pode ser divertido né?
O céu a perder de vista
Uki uki   Passeando nas nuvens
Nós 2    só sorrisos
Nosso primeiro encontro

Chega domingo
Sowa sowa    desassossego 
E o telefone que não toca!!!
           Trim triim!
Hiya hiya    suando frio
“Alô... 
O treino tava puxado!
Heto heto    não dá viu
Desculpa”
Essa não! Decepção!

Tarde de domingo
Na frente da TV
Poti dorme    suya suya
E eu embuRRada
     Janela afora   
 Pikka~   Pikka~
  Goro  goro
  
É a tempestade de verão
Assim está meu coração.

E a alegria que tenho ao escrever, que começou com as garatujas na porta do guarda-louça lá de casa, parece que vai continuar...

2001 em Brasilia

© 2011 Laura Honda-Hasegawa

identity Laura Honda-hasegawa writing

Sobre esta série

Meus avós vieram do Japão há mais ou menos 100 anos. Eu nasci no Brasil. Por isso, quero servir de “ponte” entre o Brasil e o Japão. O Japão que está arraigado no meu coração é um tesouro que quero guardar para sempre.  E foi movida por esse sentimento profundo que escrevi a presente série.  (Bom dia em japonês é Ohayo)