As diferenças entre as mulheres japonesas que emigraram do Japão e as que não (Japonês)

Transcrições disponíveis nas seguintes línguas:

(Japonês) Nessa época (entre os anos 70 e 80), eu fiz uma reportagem a pedido do Asahi Shimbum, escrevi várias impressões que eu tive ao entrevistar as pessoas. E naquele momento eu escrevi que os Isseis eram pessoas que no Japão eram conhecidas como “mulheres que fazem o que querem”, quer dizer mulheres independentes. Eu escrevi que eram pessoas assim. E aí, recebi uma carta de uma pessoa especialista em Economia que me dizia “O seu pensamento está desprovido de conhecimento”. “Não está explicada a situação econômica difícil que viviam os japoneses naquela época para esclarecer a necessidade que as pessoas tinham de imigrar”. E eu respondi que sim, reconheço o meu erro. Eu sei que a situação econômica não era fácil, mas numa situação dessas, qual a diferença entre as pessoas que imigraram e as pessoas que não? Então, realmente eram mulheres independentes. Mulheres que pensaram sozinhas, escolheram esse caminho e decidiram ter filhos neste país.

Data: 7 de outubro de 2005
Localização Geográfica: Califórnia, Estados Unidos
Interviewer: Ann Kaneko
Contributed by: Watase Media Arts Center, Japanese American National Museum

immigration picture bride

Kizuna 2020: Bondade e solidariedade nikkeis durante a pandemia da COVID-19

Leia as histórias e compartilhe as suas!

Mais do Que um Jogo: Esporte Nikkei

O prazo para o envio de artigos até 31 de outubro.

Leia as histórias Esporte Nikkeis >>

Receba novidades

Cadastre-se para novidades por e-mail

Journal feed
Events feed
Comments feed

Apoie o projeto

Descubra Nikkei

O site Descubra Nikkei é um lugar once você pode se conectar com outras pessoas e assim participar nas experiências dos nikkeis. Para continuar a manter e expandir este projeto, nós precisamos da sua ajuda!

Maneiras de ajudar >>

Projeto do Japanese American National Museum

Patrocinador principal: The Nippon Foundation