ウッジソン・オカダ

(Hudson Okada)

ウッジソン・オカダ(通称:ウデー)は、1979年8月2日、サンパウロ州マットン生まれ。2005年からサンパウロ市リベルダーデに居住。「ニッパク新聞」のエッセイストのひとり。作家として幾つかの文学コンクールで受賞歴がある。その一つに、DF(連邦区)SESC文学賞・短編小説2位に選ばれた経験がある。

(2016年7月 更新)

community pt

Em dois países

Morar na Liberdade, bairro de São Paulo, é como morar em dois países ao mesmo tempo. E não seria por menos.

Pesquisando no site da prefeitura de São Paulo, passei a saber que a população desse bairro é de, mais ou menos, 70 mil habitantes. Tentei também levantar outros números – como, por exemplo, a quantidade de pessoas de cada etnia que nele reside –, mas, infelizmente, não os encontrei.

Mesmo assim, pelo que observo – e chutando torto feito japonês –, eu diria que na Liberdade convive uma média de 40% de pessoas de origem ...

続きを読む

identity pt

Calor

Toda montadora de carros japonesa instalada aqui no Brasil precisa submeter o projeto de seus produtos – no caso, carros – a um extenso processo de reajuste para adaptá-los ao clima tropical.

Processo esse, aliás, não só necessário como também invejável.

Devo confessar que sempre achei que eu deveria ter passado por tal processo da engenharia genética; pois, por também ser de matriz japonesa, herdei de meus pais muitas peças adaptadas para o frio e muito poucas para o calor.

A principal dessas peças, devo confessar, são minhas glândulas sudor ...

続きを読む

community pt

Bairro da Liberdade

Sempre interpretei esta famosa frase do escritor russo, Liev Tolstoi, “Se queres ser universal, começa por pintar a tua aldeia”, da seguinte forma:

Se você quer conhecer bem todas as aldeias do mundo, caro leitor, primeiro conheça bem a sua; neste caso, pintando-a em um quadro.

Ou seja: se você conhecer a fundo a aldeia onde mora, você terá parâmetros confiáveis para, quem sabe, conhecer a fundo outras aldeias do mundo – e, quiçá, do universo.

Esse talvez seja um dos motivos que me levaram a estar sempre pintando – como sugeriu o escritor russo – o bairro onde ...

続きを読む

identity pt

Astro

Na primeira vez que visitei a cidade do Rio de Janeiro, percebi que havia algo um pouco diferente por lá. Na segunda, quando fiquei por mais tempo, confirmei o que havia percebido e o que havia escutado de alguns parentes: o carioca adora japonês.

Não o carioca adulto e sim o carioca criança.

Sou prova de que os carioquinhas não podem ver um japonês – ou descendente de japonês, como é o meu caso – que eles ficam logo alvoroçados.

Quando eu cheguei na cidade – em minha segunda vez –, ainda no táxi, vi alguns garotinhos ...

続きを読む

community pt

ニッケイ物語#5 — ニッケイ語:家族、コミュニティ、文化の言葉

Hai!

Semana sim, semana não, passo em uma mercearia japonesa que fica no quarteirão de minha casa, na Liberdade, para comprar alguns produtos básicos: sushi, shoyu, tofu, arroz... essas coisas. E foi nesse lugar que eu conheci uma garotinha que já é uma verdadeira atleta.

A chamo assim, porque, apesar de ainda muito nova – uns três ou quatro anos –, essa garota já é um ser fenomenal, incansável, fora de série, olímpico até.

Me lembro que, nesse dia, só durante o tempo em que eu estive por lá – sem brincadeira –, ela correu pelos corredores da loja durante ...

続きを読む