No Amazonas: Os Koutakuseis e o Plantio da Juta

ミシェル・エドゥアルダ・ブラジル・デ・サ
2009年7月7日(火)

No ano passado, as comemorações do centenário da imigração japonesa no Brasil me deram uma grande saudade da época em que eu estudava japonês. As aulas de kanji, as partículas, o keigo... Mesmo não podendo estar de novo em uma classe, o meu interesse pela língua e pela cultura japonesa continuava falando alto em meu coração. Assim são as comemorações: sempre trazem à memória alguns fatos do passado.

Quando eu estava de mudança para Manaus, em julho de 2006, alguém me disse que havia muitos descendentes de japoneses no Amazonas. Desde a minha chegada à nova cidade, não me faltou vontade de procurar informações, de saber se havia escola de japonês, se havia um calendário de festividades. O que me faltou foi iniciativa. Há cerca de um ano, eu andava meio perdida pela rua, procurando um endereço, quando vi uma das muitas revistas comemorativas numa banca de jornal. Falava especialmente sobre os imigrantes japoneses do sul e do sudeste. Procurei um artigo que falasse sobre os imigrantes no Amazonas, mas o que achei foi uma única página falando de modo genérico sobre a região norte como um todo.

Devo dizer que foi o estopim para me dar a iniciativa que me faltava. Movida pela curiosidade, procurei alguma referência bibliográfica, algum artigo, qualquer coisa que fosse, na biblioteca de duas universidades. Não achei muita coisa. Então fui à caça na Internet para buscar alguma informação a respeito.

Foi quando me deparei com a chamada Amazon Koutakukai e a história dos koutakuseis. Alunos da Kokushikan Koutou Takushoku Gakkou (Escola Imperial Superior de Agricultura) em Tóquio, eles foram elementos sui generis na história da imigração japonesa no Brasil. Imediatamente fiz contato com o Sr. Valdir Sato, presidente da Associação, que muito bem me recebeu e contou a história dos koutakuseis. A própria loja do Sr. Sato, no Centro de Manaus, é uma homenagem aos seus pais e aos de sua esposa. Tanto seu pai quanto seu sogro eram koutakuseis.

É fato que o norte do Brasil testemunhou um processo imigratório diferente do ocorrido no sul e no sudeste. O Kasato Maru aportou em Santos em 1908, mas as primeiras famílias que chegaram ao norte só o fizeram em setembro de 1929, no Pará. Foi na transição entre 1929 e 1930 – depois das negociações entre o governo do Amazonas e o senhor Kosaku Oishi, responsável pelo empreendimento, que começaram em 1928 – chegaram os imigrantes japoneses ao Amazonas, visando à plantação do guaraná no município de Maués. Apenas em 1931 chegaram os koutakuseis, cujo perfil é totalmente diferente dos outros.

Os primeiros colonos japoneses que se estabeleceram em Maués, em terras doadas pelo governo do Amazonas, plantaram cerca de quarenta e cinco mil pés de guaraná numa área de cem hectares. Tiveram, porém, que enfrentar muitas dificuldades, de caráter econômico (por causa da falência da Companhia que os tinha enviado), de saúde (epidemia de malária e de febre amarela) e de alimentação. A produção do guaraná chegou a dar bons lucros. Contudo, o excesso de produção desvalorizou o preço do guaraná e muitos colonos, por uma questão de sobrevivência, partiram para outros lugares, dirigindo-se inclusive para o sul.

A partir de 1931, chegam os koutakuseis. A primeira coisa que chama a atenção a respeito de sua peculiaridade é o fato de que deixavam o Japão sob juramento de jamais retornarem. Assumiam o compromisso de permanecerem em seu lugar, o Amazonas. Nisto se diferenciavam completamente da maioria dos imigrantes que vinham para o Brasil naquela época, com o objetivo principal de enriquecimento rápido, para voltar à terra natal. Outra característica que os diferenciava dos demais era o fato de serem jovens oriundos da classe média-alta, a maioria de ambiente urbano, embora a atividade a ser exercida fosse basicamente relacionada à agricultura.

Próximo ao município de Parintins, o deputado japonês Tsukasa Uetsuka (ou Uyetsuka), juntamente com cerca de vinte técnicos, achou o lugar adequado para os recém-egressos da Escola: eram terras de várzea – próprias para culturas rápidas, que proporcionariam retorno em pouco tempo – que cobriam parte do rio Paraná do Ramos, do rio Uaicurapá e do rio Andirá. Esta posição entre rios era extremamente estratégica, pois os produtos poderiam ser escoados para Manaus e Belém, as grandes capitais próximas. O lugar, chamado antes de Vila Batista, passou a chamar-se Vila Amazônia.

No dia 21 de outubro de 1930, aconteceu a cerimônia de lançamento da Pedra Fundamental da Vila Amazônia; em 20 de junho do ano seguinte, chegou a primeira turma de koutakuseis (35 alunos). Num total de sete turmas enviadas ao Brasil, após cada ciclo letivo, foram ao todo 249 koutakuseis. Tão bem sucedida foi a empresa que Tsukasa Uyetsuka fundou a Companhia Industrial Amazonense (1936), que gerenciava desde a produção até a comercialização dos produtos de Vila Amazônia.

O desafio era grande: o clima, a cultura e a língua eram muito diferentes. Os alunos tinham entre 19 e 20 anos de idade e freqüentavam a Kokushikan Koutou Takushoku Gakkou pelo período de um ano, para bem se prepararem. Em suas lições, recebiam informações a respeito da terra, das culturas agrícolas mais adequadas, do clima, da cultura local e também aprendiam um pouco da língua portuguesa. A falta de energia elétrica e água encanada, as condições precárias em que viviam, de certa forma isolados, foram dificuldades a superar. No entanto, a maior delas, sem dúvida, foi a perseguição na época da Segunda Guerra Mundial. Em setembro de 1942, a Companhia Industrial Amazonense foi desapropriada pelo governo brasileiro e o projeto foi desativado. Os koutakuseis da Vila Amazônia ficaram presos em Tomé-Açu, no Pará, até o final da guerra. A Vila Amazônia, considerada como espólio de guerra, foi leiloada em abril de 1946 e adquirida por uma quantia inexpressiva.

A primeira grande contribuição dos imigrantes japoneses para a economia do Amazonas está na aclimatação e no cultivo da juta – que proporcionou rápida recuperação econômica ao Estado (bastante enfraquecido com o fim do ciclo da borracha) e, em decorrência disto, também beneficiou a economia do país. Contudo, o processo de aclimatação da juta no Amazonas foi árduo. Depois de muitas tentativas, porque os pés não davam mais de dois metros e meio, somente em 1934, na propriedade do senhor Ryota Oyama, em Andirá, dois pés de juta alcançaram a altura de cerca de quatro metros e nove centímetros de diâmetro, mas quase sem ramos. Destes dois pés, de características diferentes, um morreu; do outro, o único, foi possível separar novas sementes, entregues ao senhor Ryota e a outro colono, senhor Yoshimasa. Em 1937, Ryota conseguiu colher seis toneladas de fibra e Yoshimasa, quatro toneladas. Tal era a qualidade da juta que a firma compradora (a Companhia Martins Jorge, no Pará) não acreditava que fosse produto do Amazonas, mas importado.

Em 2009, comemoramos os oitenta anos da imigração japonesa na região norte do Brasil. Com efeito, as comemorações em geral são eventos que trazem de volta à memória alguns fatos do passado. O “caso da juta”, na verdade, é mais que história: é uma lição de vida. É um exemplo de superação, de realização, de perseverança.

© 2009 Michele Eduarda Brasil de Sá

 

ミシェル・エドゥアルダ・ブラジル・デ・サ (Michele Eduarda Brasil de Sá)

Michele Eduarda Brasil de Sá é professor adjunto da Universidade Federal do Rio de Janeiro, em lotação provisória na Universidade Federal do Amazonas. Atua na área de letras, com ênfase em língua e literatura latina, e na área de relações internacionais, com ênfase em histôria das relações internacionais. Desde o ano de 2008, tem pesquisado a presença de imigrantes japoneses no estado do amazonas, especialmente os chamados Koutakuseis.

Atualizado em julho de 2009

 

3件のコメント

marreco at 12:38 a.m. on 月 9 7月 2012

Li uma reportagem sobre os koutakusei na revista Planeta de março de 2008 que é muito parecida com este artigo. A estrutura do texto e as informações são muito parecidas e há trechos idênticos e no início achei que a prof.Sá era a autora do artigo, mas não era. Apesar do tema ser único e histórico o fato de serem escritos por pessoas diferentes e em situação adversas acho estranho tamanha similaridade. Como li primeiro este artigo deu-me a impressão que a reportagem da revista tinha se baseado nos escritos da prof. com inserção da reportagem no local, visto o baixo nível do repórter que se utiliza de termos racistas como "olho rasgado", mas vendo as datas das publicações fico com esta dúvida...

marreco at 12:41 a.m. on 月 9 7月 2012

Para sua informação o site da reportagem é: http://www.terra.com.br/revistaplaneta/edicoes/426/artigo74785-3.htm

editor at 12:57 p.m. on 月 23 7月 2012

Descubra Nikkei recebeu esta resposta do autor:

Caro Sr. “Marreco”,

Para dirimir qualquer dúvida que o senhor queira levantar a respeito da autoria deste artigo, eu, a autora, me apresento. Meu nome é Michele Brasil e algumas informações sobre o meu currículo encontram-se na parte de baixo do artigo. Delas consta a informação de que tenho estudado a presença de imigrantes japoneses, especialmente os koutakusei, desde 2008. No corpo do artigo cito a fonte primária da minha pesquisa: as fotos, as informações, os documentos, que tenho de 2008 foram todos cedidos pelo Sr. Valdir Sato, então presidente da Amazon Koutakukai. Depois dele, já a partir de 2009, o Sr. Wilson Shoji, também descendente de koutakusei e incansável guardador da memória do grupo, detentor de várias fotos e informações importantes, as quais ele não se importa de compartilhar, tem sido a pessoa que me mune de material para a minha pesquisa iniciada em 2008. Naquela época, as únicas fontes eram eles. Os jornalistas que escreveram o artigo da revista Planeta foram à mesma fonte que eu, e tiveram acesso às mesmas informações. Note bem: as informações são as mesmas, mas não é o mesmo texto, como o senhor quer induzir a pensar, nem há trechos idênticos, como o senhor expressamente coloca. No estágio atual da minha pesquisa, debruço-me sobre a tradução dos boletins mensais do Instituto Amazônia – se o senhor for proficiente em japonês, aceito sua ajuda – e sobre o resgate da imagem que os koutakusei tinham do Brasil na época, e como ela era transmitida ao Japão. Atualmente estou em Osaka, por uma bolsa de estudos de dois meses, aperfeiçoando meus conhecimentos de língua japonesa e buscando informações inéditas para a pesquisa – atividades que incluíram, por exemplo, visitas aos locais onde os koutakusei estudaram, em Tóquio.

Sobre a suspeita levantada pelo senhor, ela pode ser objetivamente verificada através de um software caçador de plágio, como o Antiplagiarist 2.5. Quando atuei como revisora de materiais didáticos no Centro de Educação à Distância da UFAM, em 2010, estava atenta ao plágio e ainda hoje, corrigindo trabalhos de alunos, utilizo esta ferramenta. Se a minha palavra e o meu currículo acadêmico (http://lattes.cnpq.br/5764556680061474) não bastarem para convencê-lo da minha probidade, a análise objetiva do software ou da simples comparação dos textos pode dar conta de afastar toda e qualquer desconfiança de plágio.
No mais, coloco-me à disposição para tratar da pesquisa de maneira mais detalhada através do e-mail michele_eduarda@yahoo.com.br.

コメントを投稿するためにログイン 又は アカウントの作成

ミシェル・エドゥアルダ・ブラジル・デ・サによる寄稿文

more...


nikkei-plus

ニッケイ人の名前:太郎、ジョン、フアン、ジョアオ?

2014年10月31日に投稿の受付は終了しました。

「ニッケイ人の名前」シリーズ投稿作品を読み、お気に入り作品の選考にご協力ください!

最新情報を入手

メーリングリスト
Eメール登録

Journal feed
Events feed
Comments feed

プロジェクトを
サポート

ディスカバー・ニッケイ

ディスカバー・ニッケイは、互いにネットワークを広げ、日系の体験談を分かち合う場です。プロジェクトを継続し、より良いものにしていくためには、皆さまのご協力が不可欠です。ご支援お願いします!

サポートの方法>>

プロジェクト企画 全米日系人博物館

主な援助
日本財団